Bento XVI: Devemos prolongar a obra salvífica de Deus

AUTORIA – Bíblia Católica.

Todos nós, da Comunidade Católica Nova Aliança – CCNA – sabemos o sentido da cruz que trazemos no peito: por seu braço direito maior que o esquerdo, temos a consciência e o desejo de que "completemos na nossa carne o que falta à paixão de Cristo" e que sejamos como que a extensão de Jesus no mundo. Leiam abaixo o que falou o nosso amado Papa no dia 25 de novembro de 2012, na Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo, na oração do "Angelus". Considero como dirigindo estas palavras a nós![1]

Vaticano, 25 Nov. 12 / 11:44 am (ACI/EWTN Noticias).- Ao presidir a oração do "Angelus", na Solenidade de Jesus Cristo Rei do Universo neste domingo, no dia 25, na Praça de São Pedro, o Papa Bento XVI recordou que todos estamos chamados de uma maneira ou outra, a prolongar a obra salvífica de Deus, colocando-nos ao serviço do Senhor com generosidade.

"Todos nós somos chamados a prolongar a obra salvífica de Deus, convertendo-nos ao Evangelho, colocando-nos firmemente na esteira daquele Rei que não veio para ser servido, mas para servir e para dar testemunho da verdade", exclamou o Santo Padre.

O Papa explicou que a solenidade do Jesus Cristo Rei do Universo se situa ao final do ano litúrgico e resume o mistério de Jesus "primogênito dentre os mortos e dominador de todos os poderosos da terra", "ampliando o nosso olhar para a plena realização do Reino de Deus, quando Deus será tudo em todos".

"Nós anunciamos não somente a primeira vinda de Cristo, mas também uma segunda muito mais bela que a primeira. A primeira, na verdade, foi uma manifestação de sofrimento, a segunda traz a coroa da realeza divina;… na primeira, foi submetido à humilhação na cruz; na segunda, é cercado e glorificado por uma multidão de anjos", disse o Papa Bento, recordando as palavras de São Cirilo de Jerusalém.

Logo depois, o Pontífice indicou que toda a missão de Jesus e o conteúdo de sua mensagem consistem em anunciar o Reino de Deus e praticá-lo em meio dos homens com sinais e prodígios. "Mas – como recorda o Concílio Vaticano II – primeiro o Reino se manifesta na própria pessoa de Cristo" (Const. Dogm. Lumen gentium, 5), que o instaurou mediante a sua morte na cruz e a sua ressurreição, com a qual se manifestou como Senhor e Messias e Sacerdote eterno. Este Reino de Cristo foi confiado àIgreja, que é sua 'semente' e 'início' e tem a tarefa de anunciá-lo e difundi-lo entre todas as gentes, com a força do Espírito Santo (cfr ibid.). Ao término do tempo prescrito, o Senhor entregará a Deus Pai o Reino e o presenteará a todos aqueles que viveram segundo o mandamento do amor".

[1] Introdução pela Ammá.

O Santo Padre pediu aos presentes para rezarem pelos seis novos Cardeais que nomeou ontem: "Convido todos a rezarem pelos seis novos Cardeais que nomeei ontem, a fim de que o Espírito Santo os fortaleça na fé e na caridade e os encha com seus dons, de forma que vivam a sua nova responsabilidade como um novo compromisso com Cristo e seu Reino. Estes novos membros do Colégio Cardinalício bem representam a dimensão universal da Igreja: são Pastores da Igreja no Líbano, na Índia, na Nigéria, na Colômbia, nas Filipinas, e um desses está há longo tempo a serviço da Santa Sé".

"Invocamos a proteção de Maria Santíssima sobre cada um deles e suas fieis entregas em seu serviço. A Virgem nos ajude a viver o tempo presente à espera da volta do Senhor, pedindo com força a Deus: "Venha o teu Reino", e, realizando aquelas obras de luz que nos aproximam sempre mais do Céu, conscientes de que, nos atormentados acontecimentos da história, Deus continua a construir o seu Reino de amor", concluiu.