L Liturgia

Liturgia de 18 de junho de 2018

SEGUNDA FEIRA – XI SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde - Ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador!  (Sl 26,7.9)

Oração do dia

 

- Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao meu apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1Rs 21,1-16

 

- Leitura do Primeiro Livro dos Reis: Naquele tempo, 1Nabot de Jez­rael possuía uma vinha em Jez­rael, ao lado do palácio de Acab, rei de Samaria. 2Acab falou a Nabot: “Cede-me a tua vinha, para que eu a transforme numa horta, pois está perto da minha casa. Em troca eu te darei uma vinha melhor, ou, se preferires, pagarei em dinheiro o seu valor”. 3Mas Nabot respondeu a Acab: “O Senhor me livre de te ceder a herança de meus pais”. 4Acab voltou para casa aborrecido e irritado por causa desta resposta que lhe deu Nabot de Jezrael: “Não te cederei a herança de meus pais”. Deitou-se na cama, com o rosto voltado para a parede, e não quis comer nada. 5Sua mulher Jezabel aproximou-se dele e disse-lhe: “Por que estás triste e não queres comer?” 6Ele respondeu: “Porque eu conversei com Nabot de Jezrael e lhe fiz a proposta de me ceder a sua vinha pelo seu preço em dinheiro, ou, se preferisse, eu lhe daria em troca outra vinha. Mas ele respondeu que não me cede a vinha”. 7Então sua mulher Jezabel disse-lhe: “Bela figura de rei de Israel estás fazendo! Levanta-te, toma alimento e fica de bom humor, pois eu te darei a vinha de Nabot de Jezrael”.
8Ela escreveu então cartas em nome de Acab, selou-as com o selo real, e enviou-as aos anciãos e nobres da cidade de Nabot. 9Nas cartas estava escrito o seguinte: “Proclamai um jejum e fazei Nabot sentar-se entre os primeiros do povo, 10e subornai dois homens perversos contra ele, que dêem este testemunho: ‘Tu amaldiçoaste a Deus e ao rei!’ Levai-o depois para fora e ape­drejai-o até que morra”. 11Os homens da cidade, an­ciãos e nobres concidadãos de Nabot, fizeram conforme a ordem recebida de Jezabel, como estava escrito nas cartas que lhes tinha enviado. 12Proclamaram um jejum e fizeram Nabot sentar-se entre os primeiros do povo. 13Chegaram os dois homens perversos, sentaram-se diante dele e testemunharam contra Nabot diante de toda a assembleia, dizendo: “Nabot amaldiçoou a Deus e ao rei”. Em virtude disto, levaram-no para fora da cidade e mataram-no a pedradas. 14Depois mandaram a notícia a Jezabel: “Nabot foi apedrejado e morto”. 15Ao saber que Nabot tinha sido apedrejado e estava morto, Jezabel disse a Acab: “Levanta-te e toma posse da vinha que Nabot de Jezrael não te quis ceder por seu preço em dinheiro; pois Nabot já não vive; está morto”. 16Quando Acab soube que Nabot estava morto, levantou-se para descer até a vinha de Nabot de Jezrael e dela tomar posse.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 5, 2-3.5-6.7 (R: 2b)

 

- Atendei o meu gemido, ó Senhor!

R: Atendei o meu gemido, ó Senhor!


- Escutai, ó Senhor Deus, minhas palavras, atendei o meu gemido! Ficai atento ao clamor da minha prece, ó meu Rei e meu Senhor!

R: Atendei o meu gemido, ó Senhor!


- Não sois um Deus a quem agrade a iniquidade, não pode o mal morar convosco; nem os ímpios poderão permanecer perante os vossos olhos.

R: Atendei o meu gemido, ó Senhor!


- Detestais o que pratica a iniquidade e destruís o mentiroso. Ó Senhor, abominais o sanguinário, o perverso e enganador.

R: Atendei o meu gemido, ó Senhor!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Vossa palavra é uma luz para os meus passos e uma lâmpada luzente em meu caminho  (Sl 118,105) 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 5,38-42

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 38“Ouvistes o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente!’ 39Eu, porém, vos digo: Não enfrenteis quem é malvado! Pelo contrário, se alguém te dá um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda! 40Se alguém quiser abrir um processo para tomar a tua túnica, dá-lhe também o manto! 41Se alguém te forçar a andar um quilômetro, caminha dois com ele! 42Dá a quem te pedir e não vires as costas a quem te pede emprestado”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   

 

Liturgia comentada
Dá a quem te pede... (Mt 5,38-42)

Este Evangelho não passa pela goela. Fica entalado. Nosso conceito de justiça está atrelado ao sentimento de vingança. Por isso tantos defendem a pena de morte: matou, tem de morrer! Como se estivesse em vigor a Lei de Talião: olho por olho... Como se Cristo, ainda na cruz do Calvário, não tivesse pedido ao Pai que perdoasse a seus assassinos!

E assim aferrados à rejeição do conselho de Cristo – oferecer a outra face / dar também a preciosa capa -, nem chegamos a escutar a frase mais importante: “Dá a quem te pede!” E foi o mesmo Jesus quem nos ensinou a pedir ao nosso Pai do Céu: “Pedi e recebereis!” Ora, como pedir ao Pai se nós não atendemos aos irmãos que nos pedem?

Aliás, quando ensinou sobre o Juízo Final, aquele grande Dia em que estaremos perante o Juiz Universal, Jesus se identificou diretamente com o faminto que bate à nossa porta, com o enfermo que aguarda nossa visita. Sei não, mas é bom não ir despreparado para o nosso julgamento...

Hoje, quero dedicar-te um meu soneto: “Preparação para o Juízo”.

 

 Se eu posso ser os olhos para um cego,
Se um pão estendo à fome do andarilho,
Se cuido da viúva como um filho,
Se a quem me pede, estendo a mão, não nego...

  

Se, pressuroso, um copo d’água entrego
Ao sedento que passa pelo trilho,
Se o pródigo festejo com um novilho
E vivo exatamente como prego...

  

Então, serei um bem-aventurado,
Vendo Cristo no irmão que passa ao lado,
Sob a cruz tão pesada do abandono...

 

E que alegria quando se descobre
Que o Rei-Juiz é exatamente o pobre
Sentado glorioso no seu Trono!

  

Seria terrível perder o céu por uma capa que não quisemos ceder... Por mil passos que tentamos economizar... Péssima economia!

Orai sem cessar: “Senhor Jesus, ensina-me a amar!”
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos