L Liturgia

Liturgia de 19 de junho de 2018

TERÇA FEIRA – XI SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde  -  Ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador!  (Sl 26,7.9)

Oração do dia

 

- Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao meu apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1Rs 21,17-29

 

- Leitura do Primeiro Livro dos Reis: Após a morte de Nabot, 17a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita, nestes termos: 18“Levanta-te e desce ao encontro de Acab, rei de Israel, que reina em Samaria. Ele está na vinha de Nabot, aonde desceu para dela tomar posse. 19Isto lhe dirás: ‘Assim fala o Senhor: Tu mataste e ainda por cima roubas!’ E acrescentarás: ‘Assim fala o Senhor: No mesmo lugar em que os cães lamberam o sangue de Nabot, lamberão também o teu’”. 20Acab disse a Elias: “Afinal encontraste-me, ó meu inimigo?” Elias respondeu: “Sim, eu te encontrei. Porque te vendeste para fazer o que desagrada ao Senhor, 21farei cair sobre ti a desgraça: varrerei a tua descendência, exterminando todos os homens da casa de Acab, escravos ou livres em Israel. 22Farei com a tua família como fiz com as famílias de Jeroboão, filho de Nabat, e de Baasa, filho de Aías, porque provocaste a minha ira e fizeste Israel pecar. 23Também a respeito de Je­zabel o Senhor pronunciou uma sentença: ‘Os cães devorarão Jezabel no campo de Jezrael. 24Os da família de Acab, que morrerem na cidade, serão devorados pelos cães, e os que morrerem no campo, serão comidos pelas aves do céu’”. 25Não houve ninguém que se tenha vendido como Acab, para fazer o que desagrada ao Senhor, porque a isto o incitava sua mulher Jezabel. 26Portou-se de modo abominável, seguindo os ídolos dos amorreus que o Senhor tinha expulsado diante dos filhos de Israel. 27Quando Acab ouviu estas palavras, rasgou as vestes, pôs um cilício sobre a pele e jejuou. Dormia envolto num pano de penitência e andava abatido. 28Então a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita, nestes termos: 29“Viste como Acab se humilhou diante de mim? Já que ele assim procedeu, não o castigarei durante a sua vida, mas nos dias de seu filho enviarei a desgraça sobre a sua família”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 51,3-4.5-6a.11.16 (R: 3a)

 

- Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!

R: Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!


- Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

R: Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!


- Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

R: Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!


- Desviai o vosso olhar dos meus pecados e apagai todas as minhas transgressões! Da morte como pena, libertai-me, e minha língua exaltará vossa justiça!

R: Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Eu vos dou um novo preceito: que uns aos outros vos ameis, como eu vos tenho amado  (Jo 13,34) 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 5,43-48

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 43“Vós ouvis­tes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ 44Eu, porém, vos digo: ‘Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!’ 45Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre os justos e injustos. 46Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? 47E se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? 48Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   


Liturgia comentada
Assim vos tornareis filhos... (Mt 5,43-48)

O povo gosta da expressão que traduz a semelhança entre o pai e seu filho: “ele é a cara do Pai”. Jesus também é a cara do Pai. Ele o disse claramente em uma resposta a Filipe: “Quem me vê, vê o Pai”. (Jo 14,9)

Assim, quando Jesus cura os enfermos, devolve a visão aos cegos, multiplica os pães para a multidão faminta, Jesus manifesta o amor do Pai pela humanidade. E o faria “até o fim” (Jo 13,1) quando se entregou aos suplícios e a morte por nossa salvação.

No Evangelho de hoje, a exigente lição de Jesus não é uma doutrinação abstrata, mas a expressão de sua prática entre os homens: amar os inimigos, perdoar seus algozes, não reagir aos insultos. Trata-se de um ensinamento que bate de frente contra a práxis de uma sociedade paganizada que prefere “dar o troco”, “pagar na mesma moeda”, e reafirma seus princípios éticos: “bateu levou”, “quem com ferro fere, com ferro será ferido”, “bandido bom é bandido morto”...

H. Urs von Balthasar comenta esta passagem: “Jesus Cristo é o Filho único de Deus, que nos faz conhecer aquilo que ele ‘viu e ouviu’ junto do Pai (Jo 3,32). Ou seja: que Deus não ama parcialmente, não é justo parcialmente; ao contrário, diante do ataque dos pecadores contra ele, não responde com a retirada de seu amor. Ele o manifesta humanamente, não opondo à força uma força contrária, mas oferecendo na Paixão a outra face, dando dois mil passos com os pecadores, e até mesmo o caminho inteiro. Ele deixa que os soldados lhe tomem não apenas o manto, mas também sua camisa”.

“Mas sua não resistência tem mais fôlego – prossegue o teólogo – que toda a violência do mundo. Seria um erro erigir a atitude de Jesus como um programa político, pois está claro (mesmo para ele) que a ordem pública não pode renunciar ao poder penal (ele mesmo, em suas parábolas, pode falar desse poder, p. ex., Mt 12,19; Lc 14,31; Mt 22,7.13 etc.). Neste mundo de violência, Cristo apresenta uma forma divina de não violência que ele declarou bem-aventurada para seus sucessores (cf. Mt 5,5), e para cujo exercício ele aqui os convida.”

Daí, a impropriedade do cristão que clama por vingança, processa seus adversários, espera pela oportunidade de rebater e devolver ofensas e humilhações. Em nenhum passo dos Evangelhos Jesus nos estimulou a eliminar nossos inimigos, mas sempre lembrou que Deus ama também os injustos, reservando para eles a mesma luz do sol e a mesma taxa de chuva que derrama sobre os justos (cf. Mt 5,45) como um Pai carinhoso.

Pode ser que os honestos não engulam a lição de Jesus, e prefiram a intervenção de Júpiter Tonante, que arremessa seus raios e frita aqueles que não seguem as leis do Olimpo. Mas o Pai de Jesus é um Deus de amor: ama a vítima e o agressor...

Orai sem cessar: “O Senhor é bom, eterna é sua misericórdia...” (Sl 100,5)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos