L Liturgia

Liturgia de 20 de junho de 2018

QUARTA FEIRA – XI SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde  -  Ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Ouvi, Senhor, a voz do meu apelo: tende compaixão de mim e atendei-me; vós sois meu protetor: não me deixeis; não me abandoneis, ó Deus, meu salvador!  (Sl 26,7.9)

Oração do dia

 

- Ó Deus, força daqueles que esperam em vós, sede favorável ao meu apelo e, como nada podemos em nossa fraqueza, dai-nos sempre o socorro da vossa graça, para que possamos querer e agir conforme vossa vontade, seguindo vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 2Rs 2,1.6-14

 

- Leitura do Segundo Livro dos Reis: 1Quando o Senhor quis arrebatar Elias ao céu, num redemoinho, Elias e Eliseu partiram de Guilgal. 6Tendo chegado a Jericó, Elias disse a Eliseu: “Permanece aqui, porque o Senhor me mandou até o Jordão”. E ele respondeu: “Pela vida do Senhor e pela tua, eu não te deixarei”. E partiram os dois juntos. 7Então, cinquenta dos filhos dos profetas os seguiram, e ficaram parados, à parte, a certa distância, enquanto eles dois chegaram à beira do Jordão. 8Elias tomou então o seu manto, enrolou-o e bateu com ele nas águas, que se dividiram para os dois lados, de modo que ambos passaram a pé enxuto. 9Depois que passaram, Elias disse a Eliseu: “Pede o que queres que eu te faça antes de ser arrebatado da tua presença”. Eliseu disse: “Que me seja dada uma dupla porção do teu espírito”. 10Elias respondeu: “Tu pedes uma coisa muito difícil. Se me vires quando me arrebatarem da tua presença, isso te será concedido; caso contrário, isso não te será dado”. 11E aconteceu que, enquanto andavam e conversavam, um carro de fogo e cavalos de fogo os separaram um do outro, e Elias subiu ao céu num redemoinho. 12Eliseu o via e gritava: “Meu pai, meu pai, carro de Israel e seu condutor!” Depois, não o viu mais. E, tomando as vestes dele, rasgou-as em duas. 13Em seguida, apanhou o manto que Elias tinha deixado cair e, voltando sobre seus passos, estacou à margem do Jordão. 14Tomou então o manto de Elias e bateu com ele nas águas dizendo: “Onde está agora o Deus de Elias?” E bateu nas águas, que se dividiram, para os dois lados, e Eliseu atravessou o rio.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 31,20.21.24 (R: 25)

 

- Fortalecei os corações, vós que ao Senhor vos confiais!
R: Fortalecei os corações, vós que ao Senhor vos confiais!


- Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, reservastes para aqueles que vos temem! Para aqueles que em vós se refugiam, mostrando, assim, o vosso amor perante os homens.

R: Fortalecei os corações, vós que ao Senhor vos confiais!


- Na proteção de vossa face os defendeis bem longe das intrigas dos mortais. No interior de vossa tenda os escondeis, protegendo-os contra as línguas maldizentes.

R: Fortalecei os corações, vós que ao Senhor vos confiais!


- Amai o Senhor Deus, seus santos todos, ele guarda com carinho seus fiéis, mas pune os orgulhosos com rigor.

R: Fortalecei os corações, vós que ao Senhor vos confiais!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Quem me ama realmente guardará minha palavra e meu Pai o amará e a ele nós viremos  (Jo 14,23) 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 6,1-6.16-18

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus.
2Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que, a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará recompensa. 5Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade, vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando tu orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. 16Quando jejuardes, não fi­queis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade, vos digo: Eles já receberam a sua recompensa.  17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que os homens não vejam que estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

  

Liturgia comentada
Quando deres esmola... (Mt 6,1-6.16-18)

A esmola está em baixa. Há quem diga que a esmola estimula a preguiça dos vagabundos. Outros afirmam que ela humilha o beneficiado. Naturalmente, é preciso ouvir a opinião dos que passam fome, eles podem discordar...

Curiosamente, os “Manuscritos” de Santa Teresinha de Lisieux registram experiências de esmola em sua infância. Aliás, quando saíam a passear pelas ruas, Mr. Martin, seu pai, dava-lhe previamente moedinhas para distribuir aos mendigos. “Um dia, vimos um que se arrastava penosamente sobre muletas. Aproximei-me e lhe dei um centavo (un sou); mas não se achando bastante pobre para receber a esmola, olhou-me sorrindo tristemente e recusou-se a tomar o que eu lhe oferecia. Não posso dizer o que se passou em meu coração. [...] Embora tivesse apenas seis anos, disse para mim mesma: ‘Rezarei pelo meu pobre no dia da minha primeira comunhão’.” (Man. A, 52)

O fato de que a Pequena Teresa cumpriria sua promessa, seis anos depois, nos leva a aproximar a esmola da oração. Nosso compromisso com o próximo inclui as necessidades materiais e as espirituais. As comunidades monásticas, que vivem na clausura, são um admirável exemplo dessa caridade invisível.

Outra “esmola” mais aceitável em clima de Séc. XXI é o trabalho solidário realizado através das ONGs, de entidades de serviço como os “Médicos sem Fronteiras”, a Cruz Vermelha, missionários cristãos, pastoral carcerária e grupos semelhantes. De fato, dedicar ao próximo o próprio tempo, o próprio trabalho, incluindo riscos para a saúde e para a vida, é uma esmola que não merece críticas.

Vale lembrar que a palavra esmola vem do latim [eleemosyna], a partir de raízes gregas, onde o substantivo “elaion” [azeite] e o verbo “eleeô” [despertar compaixão por meio de palavras] estão situados no campo semântico de piedade, misericórdia. No ato penitencial, na missa em latim, a súplica “Kyrie, eleison” repete o gesto do mendigo que estende a mão vazia e espera por uma resposta de compaixão.

Em suma: diante de Deus, nós somos mendigos à espera de seu perdão e de sua cura. Iniciamos nossas celebrações recordando nossa miséria, nossa extrema indigência, esperando que ela toque o coração de Deus, remexa com suas entranhas. De fato, nos Evangelhos, quando Jesus se compadece, logo antes de fazer uma cura ou reanimar um morto, o verbo grego é “esplagnysthe”. Da mesma raiz - splen - em português formou-se o adjetivo esplênico, relativo ao “baço”, indicando o realismo visceral das emoções de Jesus.

Digamos, então, que a esmola é inseparável da capacidade de comover-se com a dor alheia, sentir um frio na barriga e... abrir as mãos...

Orai sem cessar: “Este pobre pediu socorro e o Senhor o ouviu...” (Sl 34,7)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos