L Liturgia

Liturgia de 28 de junho de 2018

QUINTA  FEIRA – SANTO IRINEU – BISPO E MÁRTIR
(Vermelho, pref. Comum ou dos santos – ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- Farei surgir um sacerdote fiel, que agirá segundo o meu coração e a minha vontade, diz o Senhor  (1Sm 2,35)

Oração do dia

 

- Ó Deus, vós concedestes ao bispo santo Irineu firmar a verdadeira doutrina e a paz da Igreja; pela intercessão de vosso servo, renovai em nós a fé e a caridade, para que apliquemos constantemente em alimentar a união e a concórdia. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 2 Rs 24,8-17

 - Leitura do Segundo Livro dos Reis: 8Joaquim tinha dezoito anos quando começou a reinar e reinou três meses em Jerusalém. Sua mãe chamava-se Noestã, filha de Elnatã, de Jerusalém. 9E ele fez o mal diante do Senhor, segundo tudo o que seu pai tinha feito. 10Naquele tempo, os oficiais de Nabucodonosor, rei da Babilônia, marcharam contra Jerusalém e a cidade foi sitiada. 11Nabu­codonosor, rei da Babilônia, veio em pessoa atacar a cidade, enquanto seus soldados a sitiavam. 12Então Joaquim, rei de Judá, apresentou-se ao rei da Babilônia, com sua mãe, seus servos, seus príncipes e seus eunucos. E o rei da Babilônia os fez prisioneiros. Isto aconteceu no oitavo ano de seu reinado. 13Nabucodonosor levou todos os tesouros do templo do Senhor e do palácio real, e quebrou todos os objetos de ouro que Salomão, rei de Israel, havia fabricado para o templo do Senhor, conforme o Senhor havia anunciado. 14Levou para o cativeiro Jerusalém inteira, todos os príncipes e todos os valentes do exército, num total de dez mil exilados, e todos os ferreiros e serralheiros; só deixou a população mais pobre do país. 15Deportou Joaquim para a Ba­bilônia, e do mesmo modo exilou de Jerusalém para a Babilônia a rainha-mãe, as mulheres do rei, seus eunucos e todos os nobres do país. 16Todos os homens fortes, num total de sete mil, os ferreiros e os serralheiros em número de mil, todos os homens capazes de empunhar armas, foram conduzidos para o exílio pelo rei da Babilônia. 17E, em lugar de Joaquim, ele nomeou seu tio paterno, Matanias, mudando-lhe o nome para Sedecias.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 79,1-2.3-5.8-9 (R: 9b)

- Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos, ó Senhor!

R: Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos, ó Senhor!


- Invadiram vossa herança os infiéis, profanaram, ó Senhor, o vosso templo, Jerusalém foi reduzida a ruínas! Lançaram aos abutres como pasto os cadáveres dos vossos servidores; e às feras da floresta entregaram os corpos dos fiéis, vossos eleitos.

R: Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos, ó Senhor!


- Derramaram o seu sangue como água em torno das muralhas de Sião, e não houve quem lhes desse sepultura! Nós nos tornamos o opróbrio dos vizinhos, um objeto de desprezo e zombaria para os povos e àqueles que nos cercam. Mas até quando, ó Senhor, veremos isto? Conservareis eternamente a vossa ira? Como fogo arderá a vossa cólera?

R: Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos, ó Senhor!


- Não lembreis as nossas culpas do passado, mas venha logo sobre nós vossa bondade, pois estamos humilhados em extremo. Ajudai-nos, nosso Deus e Salvador! Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos! Por vosso nome, perdoai nossos pecados!

R: Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos, ó Senhor!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Quem me ama realmente guardará minha palavra e meu Pai me amará, e a ele nós viremos (Jo 14,23).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 7,21-29

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 21“Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos Céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. 22Naquele dia, muitos vão me dizer: ‘Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres? 23Então eu lhes direi publicamente: Jamais vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticais o mal. 24Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. 25Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. 26Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática, é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. 27Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!” 28Quando Jesus acabou de dizer estas palavras, as multidões ficaram admiradas com seu ensinamento. 29De fato, ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os mestres da lei.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   

 

Liturgia comentada
Um homem sem juízo... (Mt 7, 21-29)

Este Evangelho tem como eixo a oposição entre um homem prudente, sensato, avisado (phronimós, no texto grego) e um homem imprudente, sem juízo (morós = louco, no texto grego). E qual é a prova cabal da loucura do homem? É ouvir a Palavra de Deus e não a pôr em prática.

Jesus reservou esta parábola sobre a casa em rocha firme e a casa sobre areia para encerrar o Sermão da Montanha. É como se dissesse: de nada valerá tudo o que acabo de ensinar se vocês não puserem tudo isto em prática. Eu falei das aves do céu que o Pai celeste alimenta, mas terá sido uma imagem inútil se vocês continuarem a viver como pagãos preocupados. Falei dos lírios do campo que se vestem melhor que Salomão, mas a lembrança não dará frutos se vocês continuarem preocupados com suas vestes...

O pior é que não levar a sério todas estas lições significa recusar Jesus Cristo como a Palavra do Pai que ilumina o caminho da humanidade. Em outros termos, recusa e desprezo por sua presença entre nós.

Hébert Roux entende que esta passagem do Evangelho lança luz sobre a permanente discussão entre os crentes a respeito da relação entre a fé e as obras. “Aqui Jesus revela a que ponto é teórica e falsa a distinção tão frequente entre uma e as outras. Se a prática da Palavra fosse uma obra que o homem realizasse por si mesmo e tivesse de lhe acrescentar, para completá-la, a fé nele criada por Deus ao fazê-lo ouvir Sua Palavra, então o Sermão da Montanha – e com ele todo o Evangelho – não faria mais que recolocar para nós a justiça da Lei depois de nos ter libertado dela.”

Foi neste sentido o alerta do apóstolo Paulo: “terminar pela carne depois de ter começado pelo espírito” (Gl 3,3) ou “pôr-se de novo sob o jugo da escravidão”. H. Roux prossegue: “Ora, segundo este texto, não há de um lado a fé, criação de Deus, e do outro as obras, os frutos imutáveis ao homem; mas há homens que, ouvindo a Palavra, põem-na em prática e dão um fruto que será conhecido e manifestado pelo julgamento de Deus, além de todas as aparências”.

“A fé que não produz as obras não é a fé”, conclui o mesmo exegeta. E inversamente, as obras não podem existir sem a fé. A “prudência” de quem edifica sobre a rocha é impossível sem a presença da fé. Ao mesmo tempo, é a ausência da fé que leva o “louco” a edificar sobre a areia.

Trabalhar como um escravo, acumular riquezas que a traça rói, dividir o mundo em amigos e inimigos, armar-se à espera do agressor – eis alguns traços da loucura alimentada pela falta de fé...

Orai sem cessar: “Meu Deus, minha rocha em quem me refugio...” (Sl 18,3)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos