L Liturgia

Liturgia de 26 de julho de 2018

QUINTA FEIRA – SANTOS JOAQUIM E ANA – PAIS DE MARIA
(cor branco, pref. comum ou dos santos - ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- Festejamos santa Ana e são Joaquim, pais da virgem Maria: Deus lhes concedeu a bênção prometida a todos os povos.

 

Oração do dia

 

- Senhor, Deus de nossos pais, que concedestes a são Joaquim e santa Ana a graça de darem a vida à mãe do vosso Filho, Jesus, fazei que, pela intercessão de ambos, alcancemos a salvação prometida a vosso povo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Eclo: 44,1.10-15

 

- Leitura do Livro do Eclesiástico: 1Vamos fazer o elogio dos homens famosos, nossos antepassados através das gerações. 10Estes, são homens de misericórdia; seus gestos de bondade não serão esquecidos. 11Eles permanecem com seus descendentes; seus próprios netos são sua melhor herança. 12A descendência deles mantém-se fiel às alianças, 13e, graças a eles, também os seus filhos. Sua descendência permanece para sempre, e sua glória jamais se apagará. 14Seus corpos serão sepultados na paz e seu nome dura através das gerações. 15Os povos proclamarão a sua sabedoria, e a assembleia vai celebrar o seu louvor.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 132,11.13-14.17-18 (R: Lc 1,32a)

 

- O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, Davi.
R: O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, Davi.


- O Senhor fez a Davi um juramento, uma promessa que jamais renegará: “um herdeiro que é fruto do teu ventre colocarei sobre o trono em teu lugar!”
R: O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, Davi.


- Pois o Senhor quis para si Jerusalém e a desejou para que fosse sua morada: “Eis o lugar do meu repouso para sempre, eu fico aqui: este é o lugar que preferi!”
R: O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, Davi.


- “De Davi farei brotar um forte herdeiro, acenderei ao meu ungido uma lâmpada. Cobrirei de confusão seus inimigos, mas sobre ele brilhará minha coroa!”
R: O Senhor vai dar-lhe o trono de seu pai, Davi.


Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.
Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Esperavam estes pais a redenção de Israel, e o Espírito do Senhor estava sobre eles (Lc 2,25).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 13,16-17

 

- O Senhor esteja convosco.
- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus
- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 16Bem-aventurados sois vós, porque vossos olhos veem e vossos ouvidos ouvem. 17Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejavam ver o que vedes, e não viram, desejavam ouvir o que ouvis, e não ouviram”.

- Palavra da salvação.
- Glória a vós, Senhor!   

 

Liturgia comentada
Felizes os vossos olhos! (Mt 13,16-17)

Nada pior que a ingratidão! O ditado popular condena o gesto do ingrato: “cuspiu no prato em que comeu”. Se fazemos vista grossa e ouvidos de mercador diante dos dons com que nos cumula o Senhor, cometemos esse pecado. Neste Evangelho, Jesus se emociona. Logo depois de interpretar para os discípulos a parábola do semeador, cujo sentido lhes permanecia obscuro, o Mestre se dá conta de que eles estão ouvindo e vendo aquilo que os justos da Primeira Aliança – patriarcas e profetas – teriam suspirado por ver e ouvir...

São privilegiados – como nós – estes seguidores do novo tempo inaugurado pela encarnação do Verbo de Deus, a nova e eterna Aliança com os homens. Por isso a dupla exclamação: Felizes! Bem-aventurados! E não sabemos se aqueles homens simples, um tanto rústicos, chegaram a perceber os privilégios e favores de que eram objeto...

Nós também somos privilegiados. Vivemos um tempo em que os dons do Espírito Santo são derramados de modo intensivo e extensivo, mais que em qualquer outra época da história. O mínimo que podemos fazer é dar graças a Deus, como em meu soneto “Ação de Graças”:

Senhor, em tudo vejo a tua Graça
Derramada sem conta e sem limite:
Nem esperas que eu erga o olhar e grite,
Pois logo o teu divino Amor me abraça!

Tua bondade sempre me ultrapassa,
Teus dons sempre superam meu palpite...
E mesmo que eu me furte, e o Amor evite,
A tua Luz me invade e me devassa!

Dou-te graças, meu Pai, e reconheço
Que todos estes dons eu não mereço
E hei de acabar a vida devedor...

Mas de tua Graça nunca fazes conta
Nem tua Mão meus débitos aponta,
Pois é cego às faturas teu Amor!

Sou grato a Deus pelos favores imerecidos que recebo de seu amor de Pai? Ou ainda estou incluído na lista dos queixosos, que se sentem mal servidos por um Deus indiferente?

Orai sem cessar: “Bendirei ao Senhor em todo o tempo!” (Sl 34,2)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos