L Liturgia

Liturgia de 14 de agosto de 2018

TERÇA FEIRA  – SÃO MAXIMILIANO KOLBE – PRESBÍTERO E MÁRTIR
(Vermelho, pref. comum ou dos  mártires – ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- Vinde, benditos de meu Pai, diz o Senhor. Em verdade vos digo, tudo o que fizestes ao menor dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes (Mt 25,34.40).

 

Oração do dia

 

- Ó Deus, inflamastes são Maximiliano Kolbe, presbítero e mártir, com amor à virgem imaculada e lhe destes grande zelo pastoral e dedicação ao próximo. Concedei-nos, por sua intercessão, que trabalhemos intensamente pela vossa glória no serviço do próximo, para que nos tornemos semelhantes ao vosso Filho até a morte. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Ez 2,8-3,4

 

- Leitura da profecia de Ezequiel: Assim fala o Senhor: 2,8“Quanto a ti, Filho do homem, escuta o que eu te digo: Não sejas rebelde como esse bando de rebeldes. Abre a boca e come o que eu te vou dar”. 9Eu olhei e vi uma mão estendida para mim e, na mão, um livro enrolado. Desenrolou-o diante de mim; estava escrito na frente e no verso e nele havia cantos fúnebres, lamentações e ais. 3,1Ele me disse: “Filho do homem, come o que tens diante de ti! Come este rolo e vai falar aos filhos de Israel”. 2Eu abri a boca, e ele fez-me comer o rolo. 3Depois disse-me: “Filho do homem, alimenta teu ventre e sacia as entranhas com este rolo que eu te dou”. Eu o comi, e era doce como mel em minha boca. 4Ele disse-me então: “Filho do homem, vai! Dirigi-te à casa de Israel e fala-lhes com as minhas palavras”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 119,14.24.72.103.111.131 (R: 103a)

 

- Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- Seguindo vossa lei me rejubilo muito mais do que em todas as riquezas.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- Minha alegria é a vossa Aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- A lei de vossa boca, para mim, vale mais do que milhões em ouro e prata.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- Como é doce ao paladar vossa palavra, muito mais doce do que mel na minha boca!

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- Vossa palavra é minha herança para sempre, porque ela é que me alegra o coração!

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!


- Abro a boca e aspiro largamente, pois estou ávido de vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa palavra, ó Senhor!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou de coração humilde e manso! (Mt 11,29).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 18,1-5.10.12-14

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, 1os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?” 2Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. 4Quem se faz pequeno como esta criança, este é o maior do Reino dos Céus. 5E quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe. 10Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. 12Que vos parece? Se um homem tem cem ovelhas, e uma delas se perde, não deixa ele as noventa e nove nas montanhas, para procurar aquela que se perdeu? 13Em verdade vos digo, se ele a encontrar, ficará mais feliz com ela, do que com as noventa e nove que não se perderam. 14Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
A vontade de vosso Pai... (Mt 18,1-5.10.12-14)

Todo dia, ao rezar o Pai-Nosso, nós repetimos com Jesus: “Seja feita a vossa vontade / assim na terra como nos céus”. E qual seria, na prática, essa “vontade” de Deus? Qual o anseio profundo de seu coração paterno?

Este Evangelho nos responde: “não se perca nenhum destes pequeninos”. (Mt 18,14.) Sim, fomos criados para a vida eterna. Para evitar nossa perdição, o Filho se fez carne, padeceu e morreu por nós. Se, mesmo assim, após tanto sacrifício, viéssemos a nos perder, todo esse amor seria desperdiçado!

São João também ensina: “A tal ponto Deus amou o mundo, que lhe entregou o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”. (Jo 3,16.) E Jesus sempre alimentou a mesma esperança: “Quando eu for erguido, atrairei todos a mim”. (Jo 12,32.)

Os santos foram sensíveis a essa “vontade” de Deus. Vontade de salvar, de não deixar perder os filhos. Por isso é que S. Luís Maria Grignion de Montfort peregrinava pela França, em permanente missão, livrando os pecadores da escravidão espiritual. Por isso S. Francisco Xavier atravessou oceanos e morreu no Oriente, impelido pela ânsia de anunciar a Boa Nova da salvação. Por isso tantas monjas contemplativas dedicaram sua vida à oração, intercedendo pelos missionários da linha de frente. Em todos, o mesmo desejo: fazer a vontade de Deus e contribuir para a recuperação da centésima ovelha...

Isto leva a uma reflexão pessoal: entre os objetivos de minha vida está o de salvar almas? Colaboro com Cristo para que muitos o conheçam, venham a amá-lo e, assim, experimentem a vida eterna? Sou um cristão missionário?

Claro, não preciso ir à África para ser missionário! Nosso lar pode ser terra de missão. Missionária é a esposa que convida o marido a rezar e, juntos, pedem luzes ao Espírito Santo para as decisões que ele deve tomar em sua empresa. Missionário é o marido que vê a esposa triste, algo depressiva, e lê para ela um salmo de confiança em Deus. Missionários são os pais que cuidam da catequese dos filhos, transmitindo-lhes o maior tesouro da família: a fé.

Pena que nossos lares vão-se transformando em terra de pagãos. Em lugar de preces, maldições. Em vez de sacrifícios, lazer. Em vez do Evangelho, a TV. E os efeitos dessas opções mostram-se, depois, no comportamento dos filhos, na infidelidade dos pais, na fragilidade dos casamentos.

Quando começaremos a salvar os pequeninos de Deus?

Orai sem cessar: “Com Deus realizaremos façanhas!” (Sl 108 [107], 14)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos