L Liturgia

Liturgia de 18 de agosto de 2018

SABADO – XIX SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde, glória, creio – III semana do saltério)

Antífona da entrada

 

- Considerai, Senhor, vossa aliança, e não abandoneis para sempre o vosso povo. Lembrai-vos, Senhor, defendei vossa causa e não desprezeis o clamor de quem vos busca (Sl 73,20.19.22).

 

Oração do dia

 

- Deus eterno e todo-poderoso, a quem ousamos chamar de Pai, dai-nos cada vez mais um coração de filhos, para alcançarmos um dia a herança prometida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Ez 18,1-10.13b.30-32

 

- Leitura da profecia de Ezequiel: 1A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: 2“Que provérbio é esse que andais repetindo em Israel: ‘Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos ficaram embotados?’ 3Juro por minha vida — oráculo do Senhor Deus —, já não haverá quem repita esse provérbio em Israel. 4Todas as vidas me pertencem. Tanto a vida do pai como a vida do filho são minhas. Aquele que pecar é que deve morrer. 5Se um homem é justo e pratica o direito e a justiça, 6não participa de refeições rituais sobre os montes, não levanta os olhos para os ídolos da casa de Israel, não desonra a mulher do próximo, nem se aproxima da mulher menstruada; 7se não oprime ninguém, devolve o penhor devido, não pratica roubos, dá alimento ao faminto e cobre de vestes o que está nu; 8se não empresta com usura, nem cobra juros, afasta sua mão da injustiça, e julga imparcialmente entre homem e mulher; 9se vive conforme as minhas leis e guarda os meus preceitos, praticando-os fielmente, tal homem é justo e, com certeza, viverá — oráculo do Senhor Deus. 10Mas, se tiver um filho violento e assassino, que pratica uma dessas ações, 11embora o pai não as tenha praticado, e participa de refeições rituais sobre os montes, desonra a mulher do próximo, 12oprime o pobre e o necessitado, pratica a rapina, não devolve o penhor, levanta os olhos para os ídolos, faz coisas abomináveis, 13btal filho de modo algum viverá. Porque fez todas essas coisas abomináveis, com certeza, morrerá; ele é responsável pela sua própria morte. 30Pois bem, vou julgar cada um de vós, ó casa de Israel, segundo a sua conduta — oráculo do Senhor Deus. Arrependei-vos, convertei-vos de todas as vossas transgressões, a fim de não terdes ocasião de cair em pecado. 31Afastai-vos de todos os pecados que praticais. Criai para vós um coração novo e um espírito novo. Por que haveis de morrer, ó casa de Israel? 32Pois eu não sinto prazer na morte de ninguém — oráculo do Senhor Deus. Convertei-vos e vivereis!”

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 51,12-13.14-15.18-19 (R: 12a)

 

- Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!

R: Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!


- Criai em mim, um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

R: Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!


- Dai-me de novo a alegria de ser salvo e confirmai-me com espírito generoso! Ensinarei vosso caminho aos pecadores, e para vós se voltarão os transviados.

R: Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!


- Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, e, se oferto um holocausto, o rejeitais. Meu sacrifício é minha alma penitente, não desprezeis um coração arrependido!

R: Ó Senhor, criai em mim um coração que seja puro!

 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelastes os mistérios do teu reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 19,13-15

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

- Glória a vós, Senhor!   

 

- Naquele tempo, 13levaram crianças a Jesus, para que impusesse as mãos sobre elas e fizesse uma oração. Os discípulos, porém, as repreendiam. 14Então Jesus disse: “Deixai as crianças, e não as proibais de vir a mim, porque delas é o Reino dos Céus”. 15E depois de impor as mãos sobre elas, Jesus partiu dali.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
Deixai vir a mim as criancinhas! (Mt 19,13-15)

Em geral, “ser criança” é uma desvantagem. Os mais velhos diziam: “Não se meta em assunto de gente grande!” Ou advertiam: “Deixa de ser criança!” Certo jeito de ser pode merecer críticas: “Fulano é muito infantil...”

Parece que Jesus pensava diferente. Ele chega a dizer: “Se não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus!” (Mt 18,3) Sendo assim, deve alguma vantagem em ser criança... Uma santa bem pequenina – a “pequena Teresa” – pode ajudar-nos nesta compreensão. Ela escreveu em seus manuscritos autobiográficos:

“Quero encontrar o meio de ir para o céu por uma via muito direta, muito curta, uma pequena via, totalmente nova. Estamos num século de invenções. Agora, não é mais preciso subir os degraus de uma escada, nas casas dos ricos um elevador a substitui com vantagens. Eu também gostaria de encontrar um elevador para elevar-me até Jesus, pois sou pequena demais para subir a íngreme escada da perfeição.”

Teresinha prossegue: “Procurei, então, na Sagrada Escritura a indicação do elevador, objeto do meu desejo, e li estas palavras da eterna Sabedoria: ‘Quem for pequenino, venha cá; ao que falta entendimento, vou falar’. Vim, então, adivinhando ter encontrado o que procurava e querendo saber, ó Deus, o que faríeis ao pequenino que respondesse a vosso apelo, continuei minhas pesquisas e eis o que achei: ‘Como a mãe acaricia seus filho, eu vos consolarei, vos levarei ao meu peito e vos acalentarei sobre meus joelhos”.

E a pequena Teresa conclui: “O elevador que deve elevar-me até o céu são vossos braços, ó Jesus! Para isso eu não preciso crescer; pelo contrário, preciso permanecer pequena, e que o venha a ser sempre mais”. (Manuscrito C, 271.)

A visão que Teresa de Lisieux nos repassa constituía, naquela época de áspero jansenismo, uma autêntica revolução. Saía também do foco a imagem da escada de São João Clímaco, gravada nos ícones do Oriente cristão, com seus 30 degraus inclinados, representando as virtudes a serem galgadas com suor e sacrifício, até atingir as nuvens celestiais.

Não se conquista o céu. O céu é para ser acolhido como a criança acolhe os beijos da mãe. E eu sei que os filhos crescidos nem sempre aceitam esses beijos. Pior para eles...

Orai sem cessar: “Virei em socorro de minhas ovelhas!” (Ez 34,22)
Texto de  Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos