L Liturgia

Liturgia de 23 de setembro de 2018

DOMINGO – XXV SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde, glória, creio – I semana do saltério)

Antífona da entrada

 

- Eu sou a salvação do povo, diz o Senhor. Se chamar por mim em qualquer provação, eu o ouvirei e serei seu Deus para sempre.

 

Oração do dia

 

- Ó Pai, que resumistes toda lei no amor a Deus e ao próximo, fazei que, observando o vosso mandamento, consigamos chegar um dia à vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Sb 2,12.17-20

 

- Leitura do livro da Sabedoria: Os ímpios dizem: 12“Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 54,3-4.5.6.8 (R: 6b)

 

- É o Senhor quem sustenta minha vida.

R: É o Senhor quem sustenta minha vida.


- Por vosso nome, salvai-me, Senhor; e dai-me a vossa justiça! Ó meu Deus, atendei minha prece e escutai as palavras que eu digo!

R: É o Senhor quem sustenta minha vida.


- Pois contra mim orgulhosos se insurgem, e violentos perseguem-me a vida; não há lugar para Deus aos seus olhos. Quem me protege e me ampara é meu Deus; é o Senhor quem sustenta minha vida!

R: É o Senhor quem sustenta minha vida.


- Quero ofertar-vos o meu sacrifício, de coração e com muita alegria; quero louvar, ó Senhor, vosso nome, quero cantar vosso nome que é bom!

R: É o Senhor quem sustenta minha vida.


2ª Leitura: Tg 3,16-4,3

 

- Leitura da carta de são Tiago: Caríssimos: 3,16Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más. 17Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. 18O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que promovem a paz. 4,1De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós? 2Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. 3Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Pelo Evangelho o Pai nos chamou, a fim de alcançarmos a glória de nosso Senhor Jesus Cristo (2Ts 2,14).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 9,30-37

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos

- Glória a vós, Senhor!   

- Naquele tempo, 30Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará.
32Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar. 33Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37“Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo. “E quem me acolher, está acolhendo, não a mim, mas àquele que me enviou”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor! 

 

Liturgia comentada
Pôs uma criança no meio deles... (Mc 9,30-37)

As coisas não eram nada fáceis para Jesus... Cercado de inimigos, ele acabara de anunciar - pela segunda vez! – a Paixão cruenta que estava à sua espera, e seus discípulos, como se fossem surdos, caminham discutindo qual deles seria o maioral quando o Mestre implantasse o seu Reino... O Mestre fala de sua prisão e morte e os seguidores ainda sonham com cargos e poderes, posição de destaque e eventuais honrarias.

É quando Jesus pega uma criancinha que estava ali por perto e a abraça, apertando-a contra a alva túnica sem costuras tecida por sua Mãe. Qual terá sido a sua intenção? Apenas um gesto de carinho? Um derramamento emocional? Deixamos a resposta com o monge beneditino François C.- Trévedy:

“Jesus nos convida a assemelhar-nos às criancinhas por causa da semelhança de suas capacidades de silêncio, de maravilhamento, de abandono e de brincadeira com aquelas que abrem o acesso ao Reino. Ele nos impele a crescer na direção de que as crianças, na graça mitigada de sua condição contingente, são apenas os indicadores.”

Bem entendido, alerta o mesmo Autor, a criança de que Jesus nos fala não é o homem imperfeito, nem sua miniatura, nem sua pré-história, mas o seu cerne; não o seu anterior, mas seu íntimo: aquele centro sob a casca que, por toda a sua vida, ela vai percebendo e trata de fazer crescer.

É assim que Jesus toma uma criancinha e a coloca bem no meio dos discípulos como uma profecia de valor escatológico, pois aponta para o futuro a ser alcançado. O adulto pensa que já está pronto. O ancião sente que está murchando. Mas a criança olha para o futuro, pois há um ponto a ser atingido, uma dimensão a ser conquistada.

A doutrina do Evangelho de Jesus é uma escola de “crescimento”: sementes que vão brotando, grãos que se multiplicam, ramos que se estendem para o céu. Nada parecido como tronos para pessoas assentadas e realizadas. Por isso Jesus aponta para a criança, esse mistério oculto aos olhos do mundo, tal como o Reino de Deus.

Não admira que Nicodemos, o fariseu adulto, ficasse perplexo com a ideia de “nascer de novo” (cf. Jo 3,4). Por certo, ele se julgava homem feito, pronto, acabado, quando o Reino exige o impulso vital da criança, sua prontidão, sua elasticidade.

Corremos o risco de ficar petrificados, mumificados, incapazes de crescer na graça...

Orai sem cessar: “Israel era ainda criança, e já eu o amava!” (Os 11,1)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos