L Liturgia

Liturgia de 25 de setembro de 2018

TERÇA FEIRA – XXV SEMANA DO TEMPO COMUM
(verde – ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Eu sou a salvação do povo, diz o Senhor. Se chamar por mim em qualquer provação, eu o ouvirei e serei seu Deus para sempre.

 

Oração do dia

 

- Ó Pai, que resumistes toda lei no amor a Deus e ao próximo, fazei que, observando o vosso mandamento, consigamos chegar um dia à vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Pr 21,1-6.10-13

 

- Leitura do livro dos Provérbios: 1O coração do rei nas mãos do Senhor é como água corrente; ele o dirige para onde quer. 2O homem pensa que o seu caminho é sempre reto, mas é o Senhor quem sonda os corações. 3Praticar a justiça e o direito é mais agradável ao Senhor do que os sacrifícios. 4Olhar arrogante e coração orgulhoso, a lâmpada dos malvados não é senão o pecado. 5Os projetos do homem aplicado produzem abundância, mas todos os apressados só alcançam indigência. 6Tesouros adquiridos com língua mentirosa são ilusão passageira dos que procuram a morte. 10A alma do malvado deseja o mal, ele olha sem piedade para o seu próximo. 11Quando se castiga o zombador, aprende o imbecil, e quando o sábio é instruído, ele adquire mais saber. 12O justo observa a casa do ímpio e leva os ímpios à desgraça. 13Quem tapa os ouvidos ao clamor do pobre, também há de clamar, mas não será ouvido.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 119,1.27.30.34.35.44 (R: 35a)

 

- Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


- Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo!

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


- Fazei-me conhecer vossos caminhos, e então meditarei vossos prodígios!

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!

 


- Escolhi seguir a trilha da verdade, diante de mim eu coloquei vossos preceitos.

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


- Dai-me o saber, e cumprirei a vossa lei, e de todo o coração a guardarei.
R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


- Guiai meus passos no caminho que traçastes, pois só nele encontrarei felicidade.

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


- Cumprirei constantemente a vossa lei, para sempre, eternamente a cumprirei!

R: Guiai-me, Senhor, no caminho de vossos preceitos!


Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Feliz é quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11,28).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 8,19-21

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

- Glória a vós, Senhor!   

- Naquele tempo, 19a mãe e os irmãos de Jesus aproximaram-se, mas não podiam chegar perto dele, por causa da multidão. 20Então anunciaram a Jesus: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver”. 21Jesus respondeu: “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a Palavra de Deus, e a põem em prática”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

  

Liturgia comentada
Por causa da multidão... (Lc 8,19-21)

Deixo de lado o aspecto central deste Evangelho. Fiquemos em um detalhe: Maria e os “irmãos” de Jesus procuram por ele, mas não podem fazer contato “por causa da multidão”...

Se utilizamos o método “alegórico” – tão ao gosto dos Padres da Igreja primitiva – podemos ver a “multidão” como um obstáculo entre Jesus e aqueles que pretendem encontrá-lo. A multidão é ruidosa e tende ao caos. Quem conhece o burburinho de uma feira popular sabe que ali não é o melhor lugar para um encontro íntimo e profundo.

A multidão é causa de muitas distrações: a cacofonia dos pregões, os veículos que buzinam, o colorido das mercadorias, o perfume das flores e das frutas – tudo isso vem ocupar e desviar os sentidos humanos. É impossível não recordar a Canção III do belíssimo Cântico Espiritual, de São João da Cruz: “Buscando meus amores, / Irei por estes montes e ribeiras; / Não colherei as flores, / Nem temerei as feras, / E passarei os fortes e fronteiras.

“Não colher as flores” – é o próprio Autor quem interpreta – significa abrir mão dos contentamentos e deleites que se apresentam em nossa vida, e que se tornam obstáculos, impedindo que passemos adiante para o encontro com o Senhor. Eles ocupam o coração, impedem o despojamento e a liberdade para caminhar em busca do verdadeiro amor.

Assim é a multidão, com seus atrativos. Da multidão vêm os aplausos (quando temos sucesso material) e os apupos (se seguimos o Evangelho). É a turba que acena com seus “produtos”, tornados indispensáveis pela propaganda que induz ao consumismo. A multidão é a dona da “opinião pública” – o Ibope -, que impõe a todos a sua ditadura, a ponto de exigir verdadeiro heroísmo de quem pretende ser autêntico e seguir seu próprio caminho.

O contrário da multidão é o deserto. Ali Jesus se recolheu, em jejum e oração, preparando-se para vencer a tríplice tentação. O contrário da multidão é a montanha, aonde Jesus sobe para ouvir o Pai e realizar o difícil discernimento. O contrário da multidão é o Calvário, onde Jesus entrega sua vida, acompanhado apenas por João e umas poucas mulheres...

Queremos encontrar Jesus? Onde o procuramos? No deserto ou na multidão?

Orai sem cessar: “O Senhor me erguerá sobre um rochedo!” (Sl 27,5)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos