L Liturgia

Liturgia de 14 de outubro de 2018

DOMINGO – XXVIII SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde, glória, creio –IV semana do saltério)

Antífona da entrada

 

- Senhor, se levardes em conta as nossas faltas, quem poderá subsistir? Mas em vós encontra-se o perdão, Deus de Israel! (Sl 129,3).

 

Oração do dia

 

- Ó Deus, sempre nos preceda e acompanhe a vossa graça, para que estejamos sempre atentos ao bem que devemos fazer. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Sb 7,7-11

 

- Leitura do livro da Sabedoria: 7“Orei, e foi-me dada a prudência; supliquei, e veio a mim o espírito da sabedoria. 8Preferi a Sabedoria aos cetros e tronos e, em comparação com ela, julguei sem valor a riqueza; 9a ela não igualei nenhuma pedra preciosa, pois, a seu lado, todo o ouro do mundo é um punhado de areia e, diante dela, a prata será como a lama. 10Amei-a mais que a saúde e a beleza, e quis possuí-la mais que a luz, pois o esplendor que dela irradia não se apaga. 11Todos os bens me vieram com ela, pois uma riqueza incalculável está em suas mãos”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 90.12-13.14-15.16-17 (R: 14)

 

- Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor, e exultaremos de alegria!

R: Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor, e exultaremos de alegria!


- Ensinai-nos a contar os nossos dias, e dai ao nosso coração sabedoria! Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? Tende piedade e compaixão de vossos servos!

R: Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor, e exultaremos de alegria!


- Saciai-nos de manhã com vosso amor, e exultaremos de alegria todo o dia! Alegrai-nos pelos dias que sofremos, pelos anos que passamos na desgraça!

R: Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor, e exultaremos de alegria!


- Manifestai a vossa obra a vossos servos, e a seus filhos revelai a vossa glória! Que a bondade do Senhor e nosso Deus repouse sobre nós e nos conduza! Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho.

R: Saciai-nos, ó Senhor, com vosso amor, e exultaremos de alegria!

2ª Leitura: Hb 4,12-13

 

- Leitura da carta aos Hebreus: 12A Palavra de Deus é viva, eficaz e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes. Penetra até dividir alma e espírito, articulações e medulas. Ela julga os pensamentos e intenções do coração. 13E não há criatura que possa ocultar-se diante dela. Tudo está nu e descoberto aos seus olhos, e é a ela que devemos prestar contas.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus (Mt 5,3).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 10,17-30

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos

- Glória a vós, Senhor!   

- Naquele tempo, 17quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo, ajoelhou-se diante dele e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?” 18Jesus disse: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. 19Tu conheces os mandamentos: não matarás; não cometerás adultério; não roubarás; não levantarás falso testemunho; não prejudicarás ninguém; honra teu pai e tua mãe”. 20Ele respondeu: “Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude”. 21Jesus olhou para ele com amor, e disse: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!” 22Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.
23Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!” 24Os discípulos se admiravam com estas palavras, mas ele disse de novo: “Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! 25É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!” 26Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso, e perguntavam uns aos outros: “Então, quem pode ser salvo?” 27Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”. 28Pedro então começou a dizer-lhe: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. 29Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida - casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições - e, no mundo futuro, a vida eterna.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   

  

Liturgia comentada
Nós que deixamos tudo... (Mc 10,17-30)

Este Evangelho nos convida a um olhar para dois aspectos. De um lado, o homem que não se dispõe a abrir mão de sua fortuna. Do outro, os discípulos que tudo deixaram para seguir a Jesus. As duas situações são bem homogêneas. O teólogo Urs von Balthasar comenta:

“Entre os dois episódios, encontram-se as palavras de Jesus sobre a dificuldades para os ricos entrarem no Reino de Deus. Para Jesus, quem é esse ‘rico’? Aquele que está apegado à sua fortuna, não importa o tamanho que ela tenha.

É bem possível que existam ricos que não se apegam a seus bens. Jesus deve ter conhecido alguns, e provavelmente as mulheres que o assistiam com seus bens (cf. Lc 8,3) eram gente de posses. E também pode existir aquele pobre que não está disposto a renunciar ao pouco que possui.

A propósito desse homem que não quer renunciar à sua fortuna, Jesus fala inicialmente da dificuldade, com a imagem de um buraco de agulha, da impossibilidade prática de entrar no Reino de Deus para quem não está disposto à renuncia, para finalmente, diante do espanto de seus discípulos, abandonar tudo ao poder soberano de Deus.

Pedro afirma, então, que ele e os outros deixaram tudo para seguir Jesus. Este protesto é radicalizado por Jesus sob múltiplos pontos de vista: primeiro, pela enumeração de todas as pessoas e de todos os bens que é preciso abandonar; em seguida, pela cláusula sublinhada – ‘por causa de mim e por causa da Boa Nova’ -, isto é, de modo algum por desprezo pelos bens terrestres, mas fazendo-os passar por uma motivação bem definida; enfim, pela cláusula anexa: ‘com perseguições’.

Aquele que se despoja de seus bens não atinge um porto seguro, o ‘cêntuplo’ que ele receberá só é prometido em definitivo para a vida futura. O seguimento de Jesus, de que Pedro falou, só é verdadeiro desta maneira: neste mundo, a cruz; no além, a ressurreição.”

Em suma, ao abrir mão de bens e valores materiais, o discípulo não é movido por um ideal estoico, nem pretende mostrar-se superior àqueles que idolatram a matéria. Foi o encontro apaixonante com Jesus que lhes deu a suprema liberdade, ignorada pelos pagãos, sem a qual a missão do evangelizador seria impossível.

Orai sem cessar: “O Senhor te dará o que teu coração pede.” (Sl 37,4)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos