L Liturgia

Liturgia de 24 de novembro de 2018

SABADO – SANTO ANDRÉ DUNG-LAC PRESBÍTERO E MÁRTIR
(Vermelho, pref. comum ou dos mártires – ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser a nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; para os salvos, como nós, ela é poder de Deus

(1Cor 1,18).

 

Oração do dia

 

- Ó Deus, fonte e origem de toda paternidade, que destes aos santos mártires André e seus companheiros serem fiéis à cruz do vosso Filho até a efusão do sangue, concedei, por sua intercessão, que, propagando o vosso amor entre os irmãos, possamos ser chamados vossos filhos e filhas e realmente o sejamos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Ap 11,4-12

 

- Leitura do livro do Apocalipse de são João: Disseram a mim, João: 4Essas duas testemunhas são as duas oliveiras e os dois candelabros, que estão diante do Senhor da terra. 5Se alguém quiser fazer-lhes mal, um fogo sairá da boca delas e devorará seus inimigos. Sim, se alguém quiser fazer-lhes mal, é assim que vai morrer. 6Elas têm o poder de fechar o céu, de modo que não caia chuva alguma enquanto durar a sua missão profética. Elas têm também o poder de transformar as águas em sangue. E quantas vezes elas quiserem, podem ferir a terra com todo o tipo de praga. 7Quando elas terminarem o seu testemunho, a besta que sobe do Abismo vai combater contra elas, vai vencê-las e matá-las. 8E os cadáveres das duas testemunhas vão ficar expostos na praça da grande cidade, que se chama, simbolicamente, Sodoma e Egito, e na qual foi crucificado também o Senhor delas. 9Gente de todos os povos, raças, línguas e nações, verão seus cadáveres durante três dias e meio, e não deixarão que os corpos sejam sepultados. 10Os habitantes da terra farão festa pela morte das testemunhas; felicitar-se-ão e trocarão presentes, pois estes dois profetas estavam incomodando os habitantes da terra. 11Depois dos três dias e meio, um sopro de vida veio de Deus, penetrou nos dois profetas e eles ficaram de pé. Todos aqueles que os contemplavam, ficaram com muito medo. 12Ouvi então uma voz forte vinda do céu e chamando os dois: “Subi para aqui!” Eles subiram ao céu, na nuvem, enquanto os inimigos ficaram olhando.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 144,1.2.9-10 (R: 1a)

 

- Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

R: Bendito seja o Senhor, meu rochedo!


- Bendito seja o Senhor, meu rochedo, que adestrou minhas mãos para a luta, e os meus dedos treinou para a guerra!

R: Bendito seja o Senhor, meu rochedo!


- Ele é meu amor, meu refúgio, libertador, fortaleza e abrigo; é meu escudo: é nele que espero, ele submete as nações a meus pés.

R: Bendito seja o Senhor, meu rochedo!


- Um canto novo, meu Deus, vou cantar-vos, nas dez cordas da harpa louvar-vos, a vós que dais a vitória aos reis e salvais vosso servo Davi.

R: Bendito seja o Senhor, meu rochedo!


Aclamação ao santo Evangelho

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Jesus Cristo salvador destruiu o mal e a morte; fez brilhar pelo evangelho a luz e a vida imperecíveis  (2Tm 1,10).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 20,27-40

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

- Glória a vós, Senhor!   

- Naquele tempo, 27aproximaram-se de Jesus alguns sa­duceus, que negam a ressurreição, 28e lhe perguntaram: “Mestre, Moisés deixou-nos escrito: se alguém tiver um irmão casado e este morrer sem filhos, deve casar-se com a viúva a fim de garantir a descendência para o seu irmão. 29Ora, havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu, sem deixar filhos. 30Também o segundo 31e o terceiro se casaram com a viúva. E assim os sete: todos morreram sem deixar filhos. 32Por fim, morreu também a mulher. 33Na ressurreição, ela será esposa de quem? Todos os sete estiveram casados com ela”. 34Jesus respondeu aos saduceus: “Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se, 35mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento; 36e já não poderão morrer, pois serão iguais aos anjos, serão filhos de Deus, porque ressuscitaram.  37Que os mortos ressuscitam, Moisés também o indicou na passagem da sarça, quando chama o Senhor ‘o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’. 38Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos, pois todos vivem para ele”. 39Alguns doutores da Lei disseram a Jesus: “Mestre, tu falaste muito bem”. 40E ninguém mais tinha coragem de perguntar coisa alguma a Jesus.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   


 

Liturgia comentada
O Deus dos vivos... (Lc 20,27-40)

O foco deste Evangelho não é o casamento indissolúvel ou o direito de repudiar o cônjuge. A história perpetrada pelos saduceus – a mesma mulher com sete maridos sucessivos - foi apenas uma armadilha com que pretendiam confundir a Jesus. O foco é a ressurreição dos mortos.

Vamos acolher a lição de São Cirilo de Alexandria [378-444 d.C.]:

“Toda alma que crê na ressurreição trata a si mesma com respeito”. Quem não crê na ressurreição abusa de seu próprio corpo como o faria de um corpo estranho. A Santa Igreja nos ensina a fé na ressurreição dos mortos: artigo de fé importante e muito necessário, combatido por muitos, mas estabelecido pela verdade. Os gregos o combatem, os samaritanos o negam, os heréticos o rasgam. A contradição tem muitas faces, mas a verdade tem um único rosto.

Há cem ou duzentos anos, onde estávamos todos nós? Ignoras que a partir de coisas sem força, nem forma, nem diversidade é que fomos gerados? Aquele que criou o que não existia, não iria ressuscitar aquele que morreu depois de sua existência?

Voltemo-nos agora para os escritos da Lei. Deus diz a Moisés: ‘Eu sou o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó’. (Ex 3,6) Se Abraão estava morto, assim como Isaac e Jacó, Deus é, então, o Deus dos que não existem? Assim, é preciso que Abraão, Isaac e Jacó ainda existam para que nesta passagem Deus seja o Deus de personagens existentes, pois ele não disse “Eu era o Deus deles”, mas “Eu sou”.

A vara de Aarão, quebrada e morta, pôs-se a florir sem mesmo ter passado pela água (Nm 17). Esta vara, por assim dizer, ressuscitou dos mortos enquanto o próprio Aarão não ressuscitaria? Deus operou um milagre em um pedaço de pau; não daria a ressurreição ao próprio Aarão?

Para criar o homem, Deus mudou a poeira em carne; não seria a carne novamente restaurada em carne? De onde tiraram sua existência o céu, a terra e o mar? E o sol, a lua e as estrelas? Como os pássaros e os peixes foram tirados das águas? Tantas miríades de criaturas foram transportadas do nada para o ser, e nós, homens, criados à imagem de Deus, será que não ressuscitaremos? [...]

Lembrai ainda as palavras de Paulo aos coríntios: ‘Se os mortos não ressuscitam, então também Cristo não ressuscitou’. (1Cor 15,13) Depois, ele chama de ‘loucos’ os que não creem. E aos tessalonicenses: ‘Os mortos que estão em Cristo ressuscitarão primeiro’. (1Ts 4,16)

Orai sem cessar: “Tornarás a dar-me vida!” (Sl 71,20)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos