L Liturgia

Liturgia de 24 fevereiro 2019

DOMINGO DA VII SEMANA DO TEMPO COMUM
(cor verde,glória, creio - III semana do saltério)

 

Antífona da entrada

- Confiei, Senhor, na vossa misericórdia; meu coração exulta porque me salvais. Cantarei ao Senhor pelo bem que me fez (Sl 12,6).

Oração do dia

- Concedei, ó Deus todo poderoso, que, procurando conhecer sempre o que é reto, realizemos vossa vontade em nossas palavras e ações. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1Sm 26, 2.7-9.12-13.22-23

 

- Leitura do primeiro livro de Samuel - Naqueles dias: 2Saul pôs-se em marcha e desceu ao deserto de Zif. Vinha acompanhado de três mil homens,
escolhidos de Israel, para procurar Davi no deserto de Zif. 7Davi e Abisai dirigiram-se de noite até ao acampamento, e encontraram Saul deitado e dormindo no meio das barricadas, com a sua lança à cabeceira, fincada no chão. Abner e seus soldados dormiam ao redor dele. 8Abisai disse a Davi:
'Deus entregou hoje em tuas mãos o teu inimigo. Vou cravá-lo em terra com uma lançada, e não será preciso repetir o golpe'. 9Mas Davi respondeu: 'Não o mates! Pois quem poderia estender a mão contra o ungido do Senhor, e ficar impune?' 12Então Davi apanhou a lança e a bilha de água que estavam junto da cabeceira de Saul, e foram-se embora. Ninguém os viu, ninguém se deu conta de nada, ninguém despertou, pois todos dormiam um profundo sono que o Senhor lhes tinha enviado. 13Davi atravessou para o outro lado, parou no alto do monte, ao longe, deixando um grande espaço entre eles. 22E Davi  disse: 'Aqui está a lança do rei. Venha cá um dos teus servos buscá-la! 23O Senhor retribuirá a cada um conforme a sua justiça e a sua fidelidade. Pois ele te havia entregue hoje em meu poder, mas eu não quis estender a minha mão
contra o ungido do Senhor.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: 103,1-2.3-4.8.10.12-13 (R: 1a8b)

- Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!

R: Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!


- Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e todo o meu ser, seu santo nome! Bendize, ó minha alma, ao Senhor, não te esqueças de nenhum de seus favores!

R: Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!


- Pois ele te perdoa toda culpa, e cura toda a tua enfermidade; da sepultura ele salva a tua vida e te cerca de carinho e compaixão.

R: Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!


- O Senhor é indulgente, é favorável, é paciente, é bondoso e compassivo. Não nos trata como exigem nossas faltas, nem nos pune em proporção às nossas culpas.

R: Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!


- Quanto dista o nascente do poente, tanto afasta para longe nossos crimes. Como um pai se compadece de seus filhos, o Senhor tem compaixão dos que o temem.

R: Bendize, ó minh’alma, ao Senhor, pois ele é bondoso e compassivo!

2ª Leitura: 1Cor 15,45-49


- Leitura da Primeira carta de são Paulo aos Coríntios: Irmãos: 45 o primeiro homem, Adão, foi “um ser vivo”; O segundo Adão é um espírito vivificante. 46Veio primeiro, não o homem espiritual, mas o natural; depois é que veio o espiritual. 47O primeiro homem, tirado da terra, é terrestre; o segundo homem vem do céu. 48 Como foi o homem terrestre, tais são os terrestres; e qual é o homem celeste, tais serão os celestes. 49E como já trouxemos a imagem do terrestre, traremos também a imagem do celeste.

- Palavra do senhor.

- Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho.

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

- É perfeito o amor de Deus em quem guarda sua palavra (1Jo 2,5)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 6, 27-38.


- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.

- Glória a vós, Senhor.

- Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos  27“A vós, porém, que me escutais, eu digo: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam. 28Falai bem dos que falam mal de vós e orai por aqueles que vos caluniam.

29Se alguém te bater numa face, oferece também a outra. E se alguém tomar o teu manto, deixa levar também a túnica. 30Dá a quem te pedir e, se alguém tirar do que é teu, não peças de volta. 31Assim como desejais que os outros vos tratem, tratai-os do mesmo modo. 32Se amais somente aqueles que vos

amam, que generosidade é essa? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que generosidade é essa? Os pecadores também agem assim. 34E se prestais ajuda somente àqueles de quem esperais receber, que generosidade é essa? Até os pecadores prestam ajuda aos pecadores, para receberem o equivalente.

35Amai os vossos inimigos, fazei o bem e prestai ajuda sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande. Sereis filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso também para com os ingratos e maus. 36Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso. [O perdão] 37“Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38Dai e vos será dado. Uma medida boa, socada, sacudida e transbordante será colocada na dobra da vossa veste, pois a medida que usardes para os outros, servirá também para vós”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor.

 

Liturgia comentada
Dá a quem te pede! (Lc 6,27-38)

Na minha infância, corria entre nós um bordão muito repetido quando alguém pedia algo, como uma bolinha de gude ou um pedaço da fruta que o outro comia: “Dar dói, chorar sai sangue!” Só recentemente descobri que era a corruptela de um antigo provérbio de Portugal. Mas a frase soava como fria negativa diante do pedido feito.

Pois bem, agora vem Jesus e ordena em tom imperativo: “Dá a quem te pede!” E ainda rebate o cravo: “Assim sereis filhos de Deus...” Será um preço caro demais pela filiação divina?

Helmut Gollwitzer comenta esta ordem: “Dá a quem te pede! Esta exigência geral e sem condições põe em evidência as dimensões incalculáveis e inauditas desta nova liberdade. Mas ela só faz sentido para quem dispõe de uma riqueza inesgotável e, por este motivo, está a salvo de toda preocupação e de toda economia. O discípulo é a pessoa que, em qualquer ocasião, se despreocupa de seu bem e não reclama o que lhe devem. Ah! se nós pudéssemos ter esse homem como próximo!”

Ora, o discípulo deve ser exatamente este próximo para as outras pessoas. Alguém permanentemente aberto à doação e à partilha, pois não se preocupa em acumular e fazer render. Sentindo-se alvo da fartura de Deus – aquele que faz chover sobre justos e injustos (cf. Mt 5,45) –, por que motivo deixaria de passar aos irmãos o que recebeu como Graça?

Prossegue Gollwitzer: “Toda a diferença entre esta ética do Reino de Deus e todas as outras morais que não possuem como condição primeira a presença do Reino, revela-se no fato, aparentemente negligenciável, de que Jesus se exprime em fórmulas positivas, ao contrário de um Confúcio muitas vezes negativo: ‘Não faças aos outros aquilo que não queres que te façam’. Enquanto a sabedoria humana nos exorta a abster-nos, Jesus nos impele à ação. Assim, a palavra de Jesus é transformada em lei ideal, uma lei que mata aquele que deseja levá-la a sério”.

E onde achar a força para cumprir o Evangelho tão exigente? Seguramente, na imitação de Cristo, que nada reservou para si, nem mesmo a vida. Quem se sente pobre, temerá fazer o dom a quem lhe pede. Quem já experimentou os tesouros da graça, fará a partilha sem dor, pois estará “sacando” dos tesouros de Cristo, aliás, inesgotáveis...

Orai sem cessar: “Fartarei de pão os teus necessitados...” (Sl 132,15)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos