L Liturgia

Liturgia de 20 de novembro de 2017

SEGUNDA FEIRA – XXXIII SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – ofício do dia)

Antífona da entrada

 

- Meus pensamentos são de paz e não de aflição, diz o Senhor. Vós me invocareis, e hei de escutar-vos, e vos trarei de vosso cativeiro, de onde estiveres (Jr 29,11.14).

 

Oração do dia

 

- Senhor nosso Deus, fazei que a nossa alegria consista em vos servir de todo o coração, pois só teremos felicidade completa servindo a vós, o criador de todas as coisas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1Mc 1,10-15.41-43.54-57.62-64

 

- Leitura do Primeiro Livro dos Macabeus: Naqueles dias, 10brotou uma raiz iníqua, Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco. Estivera em Roma, como refém, e subiu ao trono no ano cento e trinta e sete da era dos gregos. 11Naqueles dias, apareceram em Israel pessoas ímpias, que seduziram a muitos, dizendo: “Vamos fazer uma aliança com as nações vizinhas, pois, desde que nos isolamos delas, muitas desgraças nos aconteceram”. 12Estas palavras agradaram, 13e alguns do povo entusiasmaram-se e foram procurar o rei, que os autorizou a seguir os costumes pagãos. 14Edificaram em Jerusalém um ginásio, de acordo com as normas dos gentios. 15Aboliram o uso da circuncisão e renunciaram à aliança sagrada. Associaram-se com os pagãos e venderam-se para fazer o mal. 41Então o rei Antíoco publicou um decreto para todo o reino, ordenando que todos formassem um só povo, obrigando cada um a abandonar seus costumes particulares. 42Todos os pagãos acataram a ordem do rei 43e inclusive muitos israelitas adotaram sua religião, sacrificando aos ídolos e profanando o sábado. 54No dia quinze do mês de Casleu, no ano cento e quarenta e cinco, Antíoco fez erigir sobre o altar dos sacrifícios a Abominação da desolação. E pelas cidades circunvizinhas de Judá construíram altares. 55Queimavam incenso junto às portas das casas e nas ruas. 56Os livros da Lei, que lhes caíam nas mãos, eram atirados ao fogo, depois de rasgados. 57Em virtude do decreto real, era condenado à morte todo aquele em cuja casa fosse encontrado um livro da Aliança, assim como qualquer pessoa que continuasse a observar a Lei. 62Mas muitos israelitas resistiram e decidiram firmemente não comer alimentos impuros. 63Preferiram a morte a contaminar-se com aqueles alimentos. E, não querendo violar a aliança sagrada, esses foram trucidados. 64Uma cólera terrível se abateu sobre Israel.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 119,53.61.134.155.158 (R: 88)

 

- Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Apodera-se de mim a indignação, vendo que os ímpios abandonam vossa lei.

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Mesmo que os ímpios me amarrem com seus laços, nem assim hei de esquecer a vossa lei.

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Libertai-me da opressão e da calúnia, para que eu possa observar vossos preceitos!

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Meus opressores se aproximam com maldade; como estão longe, ó Senhor, de vossa lei!

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Como estão longe de salvar-se os pecadores, pois não procuram, ó Senhor, vossa vontade!

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


- Quando vejo os renegados, sinto nojo, porque foram infiéis à vossa lei.

R: Vivificai-me, ó Senhor, e guardarei vossa Aliança!


Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

- Eu sou a luz do mundo; aquele que me segue não caminha entre as trevas, mas terá a luz da vida (Jo 8,12).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 18,35-43

 

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

- Glória a vós, Senhor!   

- 35Quando Jesus se aproximava de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, pedindo esmolas. 36Ouvindo a multidão passar, ele perguntou o que estava acontecendo. 37Disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando por ali. 38Então o cego gritou: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim!” 39As pessoas que iam na frente mandavam que ele ficasse calado. Mas ele gritava mais ainda: “Filho de Davi, tem piedade de mim!” 40Jesus parou e mandou que levassem o cego até ele. Quando o cego chegou perto, Jesus perguntou: 41“Que queres que eu faça por ti?” O cego respondeu: “Senhor, eu quero enxergar de novo”. 42Jesus disse: “Enxerga, pois, de novo. A tua fé te salvou”. 43No mesmo instante, o cego começou a ver de novo e se pôs a segui-lo, glorificando a Deus. Vendo isso, todo o povo deu louvores a Deus.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!   


Liturgia comentada
Filho de Davi! (Lc 18,35-43)

O grito do cego não é apenas o profundo gemido de um homem deficiente e marginalizado em busca de compaixão. Na tradição judaica, o “Filho de Davi” era exatamente o Ungido de Deus [= Messias] que aparece na promessa do Senhor que o profeta Natã levou a Davi (cf. 2Sm 7,12ss). Conscientemente, ou não, o filho de Timeu proclamava a realeza de Jesus de Nazaré.

Jean Valette comenta: “Tal como ele é, nossa passagem aparece como um prelúdio à entrada solene de Jesus na Cidade Santa”. A multidão aqui citada era formada, seguramente, por aqueles peregrinos que se haviam reunido a Jesus e aos seus. “Jesus, Filho de Davi, é a primeira aclamação messiânica, na véspera da entrada em Jerusalém”.

As turbas não dirão outra coisa quando Jesus passar montado em seu burrico. Assim, a ligação com o dia dos Ramos é difícil de negar. “Pode-se mesmo perguntar se o milagre que Jesus vai realizar, ao ser recontado em Jerusalém pelos peregrinos, não veio a desempenhar um papel nas aclamações do povo, na medida em que a cura dos cegos era o sinal messiânico por excelência”.

Claro que o cego é movido por sua extrema necessidade pessoal. Provavelmente não media o alcance de seu grito, que salta acima e além de sua miséria e de sua esperança interessada. Mas basta a sua invocação para que nos lembremos de os ouvidos do Filho de Deus não ficarão surdos aos nossos pobres apelos.

Paralelamente, chama nossa atenção o fato de que a multidão ruidosa aparece como um obstáculo para o encontro entre o médico e o doente. No entusiasmo de seguir o Mestre, a turba anônima se perde em louvores e se esquece das misérias à beira do caminho. Chega a pedir ao cego que cale sua boca...

Este é um dos riscos que corremos ao fazer da religião uma espécie de realização artística, um permanente “show” para a glória de Deus, sem ter olhos e ouvidos para aqueles que esperam pelo toque salvador que justificaria toda uma enxurrada de salmos de louvor.

De um lado, o Salvador glorioso. De outro, a multidão de cegos, surdos, aidéticos e aleijados. Para onde se voltará o nosso olhar?

Orai sem cessar: “O Senhor abre os olhos ao cego...” (Sl 146,8)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos