L Liturgia

Liturgia de 21 de novembro de 2017

TERÇA FEIRA - APRESENTAÇÃO DE NOSSA SENHORA
(branco, pref. de Maria - ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- O Senhor Deus vos abençoou, virgem Maria, mais que a todas as mulheres. Ele exaltou o vosso nome que todos os povos cantem vosso louvor (Jt ,23.25).

Oração do dia

 

- Ao celebrarmos, ó Deus, a gloriosa memória da santa virgem Maria, concedei-nos, por sua intercessão, participar da plenitude da vossa graça. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura: Zc 2,14-17


- Leitura da Profecia de Zacarias: 14“Rejubila, alegra-te, cidade de Sião, eis que venho para habitar no meio de ti, diz o Senhor. 15Muitas nações se aproximarão do Senhor, naquele dia, e serão o seu povo. Habitarei no meio de ti, e saberás que o Senhor dos exércitos me enviou a ti. 16O Senhor entrará em posse de Judá, como sua porção na terra santa, e escolherá de novo Jerusalém. 17Emudeça todo mortal diante do Senhor, ele acaba de levantar-se de sua santa habitação”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl Lc 1, 46-47.48-49.50-51.52-53.54-55 (R: 49)

 - O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

R: O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

 

- A minha alma engrandece o Senhor, e se alegrou o meu espírito em Deus, meu salvador.

O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

 

- Pois ele viu a pequenez de sua serva, desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome!

O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

 

- Seu amor, de geração em geração, chega a todos os que o respeitam. Demonstrou o poder de seu braço, dispersou os orgulhos.

O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

 

- Derrubou os poderosos de seus tronos e os humildes exaltou. De bens saciou os famintos e despediu, sem nada, os ricos.

O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

 

- Acolheu Israel, seu servidor, fiel ao seu amor, como havia prometido aos nossos pais em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.

O Poderoso fez por mim maravilhas e santo é o seu nome.

Aclamação ao santo Evangelho.

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 - Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus! (Lc 11,28)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 12,46-50


- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, 46enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. 47Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. 48Jesus perguntou àquele que tinha falado: Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” 49E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. 50Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

Liturgia comentada
Minha mãe e meus irmãos... (Mt 12,46-50)

Jesus aponta a multidão à sua volta e diz: “Eis minha mãe e meus irmãos!” Como posso fazer parte da família de Jesus? Ora, é simples: basta viver como filho do Pai. Se eu obedeço a Deus – o Pai de Jesus - e faço sua vontade, vivo como filho e, em consequência, sou familiar de Jesus.

Se alguém pensou, eventualmente, em utilizar esta passagem do Evangelho para desmerecer a Mãe de Deus, deu-se mal: exatamente ela, Maria de Nazaré, é o modelo perfeito e acabado do fiel que faz a vontade do Pai. E ela obedeceu a essa mesma vontade divina de modo tão integral, que gerou o Filho na carne dos mortais. Ninguém mais chegou tão alto na obediência...

Mas o foco desta passagem é outro. Jesus nos ensina que os laços de sangue são menos importantes que a suave escravidão aos desígnios de Deus. Em outros termos, a obediência ao querer de Deus é um vínculo que supera sem medidas os laços de sangue. O resultado dessa constatação está inscrito na própria história da Igreja. Ao longo das gerações, século após século, uma incontável legião de fiéis abandonou casa e família, títulos de nobreza e garantias materiais para se dedicar à missão que o Senhor lhes apresentava. E o faziam com estranha alegria...

Pense em Francisco, o menestrel de Assis, que preferiu cortar relações com o pai e seus projetos de lucro e acumulação para se entregar de corpo e alma ao chamado de Cristo. As sedas e brocados deram lugar ao áspero burel cor de barro que atrairia numerosos seguidores em toda a Europa. A opção de Francisco culminou com a ira do pai humano, que o deserdou. Era esta a maneira de o “Poverello” deixar bem evidente sua filiação divina, sua pertença à família de Deus.

Sua amiga Clara, da família nobre dos Offreducci, poderia ter escolhido um marido da mais excelente linhagem de sua época. A exemplo de Francisco, Clara de Assis preferiu abrir mão da força política de seu clã, da admiração de seus contemporâneos e até de seus cabelos cor de ouro. Era a sua maneira de consagrar-se a Deus e manifestar claramente que a família do céu importava muito mais que a família da terra.

Voltando a Maria de Nazaré, a jovem estava prometida em casamento a José. Na Anunciação (cf. Lc 1,26ss), diante da proposta de Deus que Gabriel lhe apresentava, Maria disse “sim”, mesmo sabendo que a gravidez humanamente inexplicável a transformaria em ré, sujeita à morte por lapidação. Não encontro exemplo mais claro de uma escolha feita entre os laços de sangue e a vinculação plena à vontade de Deus.

Orai sem cessar: “Que eu cumpra tua vontade, meu Deus. É isto que desejo!” (Sl 40,9)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos