L Liturgia

Liturgia de 25 de janeiro de 2018

QUINTA FEIRA - CONVERSÃO DE SÃO PAULO
(branco, glória, creio, prefácio dos apóstolos - ofício da festa)

Antífona da entrada

- Sei em quem acreditei; e estou certo de que o justo juiz conservará a minha fé até o dia de sua vinda (2Tm 1,12; 4,8).

Oração do dia

- Ó Deus, que instruístes o mundo inteiro pela pregação do apóstolo são Paulo, dai-nos, ao celebrar hoje a sua conversão, caminhar para vós seguindo seus exemplos e ser, no mundo, testemunhas do evangelho. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: At 22, 3-16


- Leitura dos Atos dos Apóstolos - Naqueles dias, Paulo disse ao povo: 3"Eu sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, mas fui criado aqui nesta cidade. Como discípulo de Gamaliel, fui instruído em todo o rigor da Lei de nossos antepassados, tornando-me zeloso da causa de Deus, como acontece hoje convosco. 4Persegui até à morte os que seguiam este Caminho, prendendo homens e mulheres e jogando-os na prisão. 5Disso são minhas testemunhas o Sumo Sacerdote e todo o conselho dos anciãos. Eles deram-me cartas de recomendação para os irmãos de Damasco. Fui para lá, a fim de prender todos os que encontrasse e trazê-los para Jerusalém, a fim de serem castigados.

6Ora, aconteceu que, na viagem, estando já perto de Damasco, pelo meio dia, de repente uma grande luz que vinha do céu brilhou ao redor de mim. 7Caí por terra e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? 8Eu perguntei: Quem és tu, Senhor? Ele me respondeu: Eu sou Jesus, o Nazareno, a quem tu estás perseguindo.9Meus companheiros viram a luz, mas não ouviram a voz que me falava. 10Então perguntei: Que devo fazer, Senhor? O Senhor me respondeu: Levanta-te e vai para Damasco. Ali te explicarão tudo o que deves fazer. 11Como eu não podia enxergar, por causa do brilho daquela luz, cheguei a Damasco guiado pela mão dos meus companheiros. 12Um certo Ananias, homem piedoso e fiel à Lei, com boa reputação junto de todos os judeus que aí moravam, 13veio encontrar-me e disse: Saulo, meu irmão, recupera a vista! No mesmo instante, recuperei a vista e pude vê-lo. 14Ele, então, me disse: O Deus de nossos antepassados escolheu-te para conheceres a sua vontade, veres o Justo e ouvires a sua própria voz. 15Porque tu serás a sua testemunha diante de todos os homens, daquilo que viste e ouviste. 16E agora, o que estás esperando? Levanta-te, recebe o batismo e purifica-te dos teus pecados, invocando o nome dele!"

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: 117, 1.2 (R: Mc 16,15)

- Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.

R: Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.

 

- Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes, povos todos, festejai-o!

R: Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.

 

- Pois comprovado é o seu amor para conosco, para sempre ele é fiel!

R: Ide, por todo o mundo, a todos pregai o Evangelho.

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

- Eu vos designei para que vades e deis frutos e o vosso fruto permaneça, assim disse o Senhor (Jo 15,16).

Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 16, 15-18

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

- Glória a vós, Senhor!

 - Naquele tempo, Jesus se manifestou aos 12 discípulos 15 e disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. 16Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. 17Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas, 18manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
E o Senhor cooperava com eles... (Mc 16,15-20)

O “último desejo” de Jesus foi exatamente a missão confiada a seus discípulos: ir por todo o mundo e anunciar o Evangelho. Da Judéia para a Palestina, da Palestina para “o mundo todo”. Uma tal amplitude como campo missionário deveria parecer aos discípulos uma tarefa fora de propósito. Afinal, eram um bando de lavradores, pescadores, um ou dois zelotas, um cobrador de impostos aposentado... Que belo exército!

Só que este raciocínio não leva em conta um fator essencial para a missão: o Espírito Santo lhes seria dado em Pentecostes. Com o “poder do alto” (Lc 24,49), veriam suas faculdades humanas potencializadas e suas deficiências mais que compensadas. De fato, o roceiro mostra-se poliglota, o covarde se faz ousado, o capiau se revela cosmopolita. Eram homens novos, forjados no fogo do Espírito.

Hoje, sob o impacto de terríveis tsunamis morais, diante da invasão do consumismo e do ateísmo, a Igreja poderia sentir-se incapaz de levar adiante sua tarefa evangelizadora. Mas ela sabe da assistência do Espírito Santo em sua navegação espiritual. Eis o que escreveu o Papa João Paulo II em sua magnífica Encíclica sobre a “validade permanente do mandato missionário”:

“No ápice da missão messiânica de Jesus, o Espírito Santo aparece-nos, no mistério pascal, em toda a sua subjetividade divina, como Aquele que deve continuar agora a obra salvífica, radicada no sacrifício da cruz. Esta obra, sem dúvida, foi confiada aos homens: aos Apóstolos e à Igreja. No entanto, nestes homens e por meio deles, o Espírito Santo permanece o sujeito protagonista transcendente da realização dessa obra, no espírito do homem e na história do mundo.” (Redemptoris Missio, 21)

E mais: “Verdadeiramente o Espírito Santo é o protagonista de toda a missão eclesial: a sua obra brilha esplendorosamente na missão ad gentes, como se vê na Igreja primitiva pela conversão de Cornélio (cf. At 10), pelas decisões acerca dos problemas surgidos (cf. At 15), e pela escolha dos territórios e povos (cf. At 16,6ss). O Espírito Santo age através dos Apóstolos, mas, ao mesmo tempo, opera nos ouvintes: Pela Sua ação, a Boa Nova ganha corpo nas consciências e nos corações humanos, expandindo-se na história. Em tudo isto, é o Espírito Santo que dá a vida.” (Idem)

Vivo entre nós, o Espírito Santo nos impele à missão...

Orai sem cessar: “O Senhor sustenta os que vacilam.” (Sl 145,14)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos