L Liturgia

Liturgia de 28 de janeiro de 2018

DOMINGO DA IV SEMANA DO TEMPO COMUM
(cor verde, glória, creio - IV semana do saltério )

Antífona da entrada

- Salvai-nos, Senhor nosso Deus, reuni vossos filhos dispersos pelo mundo, para que celebremos o vosso santo nome e nos gloriemos em vosso louvor (Sl 105, 47)

Oração do dia

- Concedei-nos, Senhor nosso Deus, adorar-vos de todo coração e amar todas as pessoas com verdadeira caridade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Dt 18, 15-20


- Leitura do livro do Deuteronômio - Moisés falou ao povo, dizendo: 15"O Senhor teu Deus fará surgir para ti, da tua nação e do meio de teus irmãos, um profeta como eu: a ele deverás escutar. 16Foi exatamente o que pediste ao Senhor teu Deus, no monte Horeb, quando todo o povo estava reunido, dizendo: 'Não quero mais escutar a voz do Senhor meu Deus, nem ver este grande fogo, para não acabar morrendo'. 17Então o Senhor me disse: 'Está bem o que disseram. 18Farei surgir para eles, do meio de seus irmãos, um profeta semelhante a ti. Porei em sua boca as minhas palavras e ele lhes comunicará tudo o que eu lhe mandar. 19Eu mesmo pedirei contas a quem não escutar as minhas palavras que ele pronunciar em meu nome. 20Mas o profeta que tiver a ousadia de dizer em meu nome alguma coisa que não lhe mandei, ou se falar em nome de outros deuses, esse profeta deverá morrer'".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 95, 1-2.6-7.8-9 (R: 8)

- Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus!

R: Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus!

 

- Vinde, exultemos de alegria no Senhor, aclamemos o Rochedo que nos salva! Ao seu encontro caminhemos com louvores, e com cantos de alegria o celebremos!

R: Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus!

 

- Vinde, adoremos e prostremo-nos por terra, e ajoelhemos ante o Deus que nos criou! Porque ele é o nosso Deus, nosso Pastor, e nós somos o seu povo e seu rebanho, as ovelhas que conduz com sua mão.

R:Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus!

 

- Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: "Não fecheis os corações como em Meriba, como em Massa, no deserto, aquele dia, em que outrora vossos pais me provocaram, apesar de terem visto as minhas obras".

R:Não fecheis o coração, ouvi hoje a voz de Deus!

 

2ª Leitura: 1º Cor 7, 32-35


- Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios - Irmãos, 32Eu gostaria que estivésseis livres de preocupações. O homem não casado é solícito pelas coisas do Senhor e procura agradar ao Senhor. 33O casado preocupa-se com as coisas do mundo e procura agradar à sua mulher 34e, assim, está dividido. Do mesmo modo, a mulher não casada e a jovem solteira têm zelo pelas coisas do Senhor e procuram ser santas de corpo e espírito. Mas a que se casou preocupa-se com as coisas do mundo e procura agradar ao seu marido.

35Digo isto para o vosso próprio bem e não para vos armar um laço. O que eu desejo é levar-vos ao que é melhor, permanecendo junto ao Senhor, sem outras preocupações.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

-O povo que jazia nas trevas viu brilhar uma luz grandiosa; a luz despontou para aqueles que jaziam nas sombras da morte (Mc 4,16)

Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 1,21-28


- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

- Glória a vós, Senhor!

- 21Na cidade de Cafarnaum, num dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei. 23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24 “Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!”

26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “O que é isto? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte, em toda a região da Galiléia.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
Os espíritos impuros lhe obedecem... (Mc 1,21-28)

Em sua breve vida pública, Jesus Cristo sempre manifestou os mais notáveis sinais de sua divindade: foram curas físicas (febre, cegueira, paralisia, lepra, surdez...), domínio sobre a matéria (a água mudada em vinho), controle sobre a natureza (a tempestade acalmada no lago), senhorio sobre a vida (a reanimação de Lázaro). Entretanto, um dos sinais que mais impactavam os circunstantes eram os casos de libertação espiritual, hoje chamada de exorcismo.

Naturalmente, é sempre chocante ver que um infeliz é agitado pelo demônio, lançado por terra (cf. Mc 1,26; 9,26), antes de o deixar em paz. E o espanto crescia diante da serenidade de Jesus ao exercer sua autoridade espiritual.

Desde o início, quando foi levado pelo Espírito ao deserto “para ser tentado” (cf. Mt 4,1), Jesus viveu permanente combate contras as forças desagregadoras de Satã. Vencido na tríplice tentação, o adversário voltaria “em tempo oportuno” (cf. Lc 4,13), isto é, a hora de sua agonia no Getsêmani. Mas o combate espiritual atravessa cada passo do itinerário de Jesus de Nazaré, revelando um poder desconhecido até então.

Macário, o Grande [300-390 d.C.], ao comentar esta passagem do Evangelho, ensinava: “A alma que caiu sob a servidão e a autoridade da treva das paixões do pecado é oprimida pela febre da lei do pecado; ela é imobilizada e inibida em relação às obras da vida, as virtudes perfeitas do Espírito, pois ela é incapaz de cumpri-las de maneira irreprochável, mas nada a impede de clamar pelo único médico, de chamar por seu socorro nem de esperar pela saúde.

Deus só espera dos homens esta oportunidade, pois o poder de fortalecer a alma, de curá-la da febre do pecado e arrancá-la da tirania e da influência das paixões, este poder pertence a Deus e somente a Ele é reservado. É Ele quem o porá em ação prontamente, como está escrito: ‘Ele fará justiça àqueles que clamam por Ele dia e noite’. (Lc 18,7)

“O próprio Senhor quer ser assim procurado, amado, acreditado e atraído pelo amor da alma para ali vir habitar, reger e governar todo o seu pensamento e conduzi-la para a inteira vontade de Deus.”

Vale lembrar que o mesmo poder foi concedido por Jesus à sua Igreja: “expulsarão demônios em meu nome”. (Mc 16,17)


Orai sem cessar:
“Tu és meu auxílio e meu libertador!” (Sl 40,18)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos