L Liturgia

Liturgia de 05 de fevereiro de 2018

SEGUNDA FEIRA – SANTA ÁGUEDA VIRGEM E MÁRTIR
(vermelho, pref. Comum ou dos santos, ofício da memória)

Antífona da entrada

 

- Esta é uma virgem sábia, do número dos prudentes, que foi ao encontro de Cristo com sua lâmpada acesa.

Oração do dia

 

- Ó Deus, que santa Águeda, virgem e mártir, agradável ao vosso coração pelo mérito da caridade e pela força no martírio, implore vosso perdão em nosso favor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: 1Rs 8,1-7.9-13


- Leitura do Primeiro Livro dos Reis: Naqueles dias, 1Salomão convocou para junto de si, em Jerusalém, todos os anciãos de Israel, todos os chefes das tribos e príncipes das famílias dos filhos de Israel, a fim de transferir da cidade de Sião, que é Jerusalém, a arca da aliança do Senhor. 2Todo o Israel reuniu-se em torno de Salomão, no mês de Etanim, ou seja, no sétimo mês, durante a festa. 3Vieram todos os anciãos de Israel, e os sacerdotes tomaram a arca 4e carregaram-na junto com a tenda da reunião, como também todos os objetos sagrados que nela estavam; quem os carregava eram os sacerdotes e os levitas. 5O rei Salomão e toda a comunidade de Israel, reunida em torno dele, imolavam diante da arca ovelhas e bois em tal quantidade, que não se podia contar nem calcular. 6E os sacerdotes conduziram a arca da aliança do Senhor ao seu lugar, no santuário do templo, ao Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins, 7pois os querubins estendiam suas asas sobre o lugar da arca, cobrindo a arca e seus varais por cima. 9Dentro da arca só havia as duas tábuas de pedra, que Moisés ali tinha deposto no monte Horeb, quando o Senhor concluiu a aliança com os filhos de Israel, logo que saíram da terra do Egito. 10Ora, quando os sacerdotes deixaram o santuário, uma nuvem encheu o templo do Senhor, 11de modo que os sacerdotes não puderam continuar as funções porque a glória do Senhor tinha enchido o templo do Senhor. 12Então Salomão disse: “O Senhor disse que habitaria numa nuvem, 13e eu edifiquei uma casa para tua morada, um templo onde vivas para sempre”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 132,6-7.8-10 (R: 8a)

- Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!

R: Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!


- Nós soubemos que a arca estava em Éfrata e nos campos de Iaar a encontramos: Entremos no lugar em que ele habita, ante o escabelo de seus pés o adoremos!

R: Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!


- Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso, subi vós, com vossa arca poderosa! Que se vistam de alegria os vossos santos, e os vossos sacerdotes, de justiça! Por causa de Davi, o vosso servo, não afasteis do vosso Ungido a vossa face!

R: Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!

Aclamação ao santo Evangelho.

 

 Aleluia, aleluia, aleluia.

 Aleluia, aleluia, aleluia.

- Jesus pregava a boa nova, o reino anunciando, e curava toda espécie de doenças entre o povo (MT 4,23).

 Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 6, 53-56


- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, 53tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus. 55Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. 56E, nos povoados, cidades e campos onde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
Todos eram curados... (Mc 6,53-5)

As multidões que acompanhavam Jesus pelas estradas da Palestina romana oferecem um panorama lamentável: paralíticos e leprosos, cegos e surdos, pessoas desequilibradas e possessas. Nada muito diferente de nosso tempo, com outra multidão de depressivos, dependentes de tranquilizantes, gente estressada, que mal consegue dormir à custa de soníferos. E a longa fila dos postos de saúde, autêntica procissão da miséria humana...

Uma rápida varredura na TV revela outra legião de doentes: exibicionismo, competição, exposição do sexo, louvor à violência, uma feira de vaidades. E por trás das gargalhadas, a mais profunda angústia humana...

Existe cura para uma sociedade doente? Eis o que ensina Macário, o Grande:

“Se nos parece difícil, até mesmo impossível, converter-nos dos inumeráveis pecados cujo hábito nós contraímos, lembremos e levemos em conta como o Senhor, em sua bondade, quando ela vivia aqui em baixo, devolveu a vista aos cegos, restabeleceu os paralíticos, curou todas as enfermidades, ressuscitou mortos já quase decompostos e desfeitos na terra, fez ouvir os surdos, expulsou de um homem uma legião de demônios, e devolveu ao bom senso um outro que mergulhara em terrível demência.

Quanto mais – comenta Macário – o Senhor não iria converter uma alma que se volta para ele, que implora sua misericórdia, que pede sua ajuda?! Ele a conduzirá para a alegria da impassibilidade, para o restabelecimento de todas as virtudes e a renovação do espírito. Ele lhe dará a saúde, a visão espiritual, a paz dos pensamentos. Ele a libertará da cegueira, da surdez e da morte, da falta de fé, da ignorância e da ausência de temor, conduzindo-a para a sabedoria das virtudes e a pureza do coração.

Aquele que criou o corpo – comenta o autor – também fez a alma. E do mesmo modo que, durante sua estada na terra, em sua terna bondade, ele concedia liberalmente, como bom e único médico, tudo o que desejavam aqueles que vinham a ele, pedindo-lhe o socorro e a cura, assim também o Senhor age igualmente no campo espiritual.

Se o Senhor experimentou tal compaixão pelos corpos corruptíveis e mortais, se ele concedeu a cada um, de bom grado e com suave bondade, aquilo que lhe pediam, quanto mais ele concederá prontamente e com pressa a libertação e a cura da alma imortal, incorruptível e inalterável, que a ignorância, a incredulidade perniciosa, a ausência de temor e as outras más paixões tornaram enferma, se ela se aproxima dele, suplica sua ajuda, lança o olhar sobre sua misericórdia, deseja receber dele a graça do Espírito em vista de sua redenção e salvação, da libertação de toda malícia e de toda paixão?

O mundo tem jeito. Jesus permanece à nossa disposição para curar e libertar...

Orai sem cessar: “O Senhor cura os corações atribulados...” (Sl 147,3)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos