L Liturgia

Liturgia de 18 de fevereiro de 2018

I DOMINGO DA QUARESMA
(roxo, creio, préfacio próprio - I semana do saltério)

Antífona da entrada

- Quando meu servo chamar hei de atendê-lo, estarei com ele na tribulação. Hei de livrá-lo e glorificá-lo e lhe darei longos dias (Sl 90,15).

Oração do dia

- Concedei-nos, ó Deus onipotente, que, ao longo desta Quaresma, possamos progredir no conhecimento de Jesus Cristo e corresponder a seu amor por uma vida santa. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Gn 9,8-15

- Leitura do livro do Gênesis - 8Disse Deus a Noé e a seus filhos: 9"Eis que vou estabelecer minha aliança convosco e com vossa descendência, 10com todos os seres vivos que estão convosco: aves, animais domésticos e selvagens, enfim, com todos os animais da terra, que saíram convosco da arca. 11Estabeleço convosco a minha aliança: nunca mais nenhuma criatura será exterminada pelas águas do dilúvio, e não haverá mais dilúvio para devastar a terra". 12E Deus disse: "Este é o sinal da aliança que coloco entre mim e vós, e todos os seres vivos que estão convosco, por todas as gerações futuras: 13ponho meu arco nas nuvens como sinal de aliança entre mim e a terra. 14Quando eu reunir as nuvens sobre a terra, aparecerá meu arco nas nuvens. 15Então eu me lembrarei de minha aliança convosco e com todas as espécies de seres vivos. E não tornará mais a haver dilúvio que faça perecer nas suas águas toda criatura".

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 25, 4bc-5ab.6-7bc.8-9 (R: 10)

- Verdade e amor são os caminhos do Senhor.

R: Verdade e amor são os caminhos do Senhor.

 

- Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação.

R: Verdade e amor são os caminhos do Senhor.

 

- Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão, que são eternas! De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!

R: Verdade e amor são os caminhos do Senhor.

 

- O Senhor é piedade e retidão e reconduz ao bom caminho os pecadores. Ele dirige os humildes na justiça e aos pobres ele ensina o seu caminho.

R: Verdade e amor são os caminhos do Senhor.

2ª Leitura: 1Pedro 3,18-22


- Leitura da primeira carta de São Pedro - Caríssimos: 18Cristo morreu, uma vez por todas, por causa dos pecados, o justo pelos injustos, a fim de nos conduzir a Deus. Sofreu a morte, na sua existência humana, mas recebeu nova vida pelo Espírito. 19No Espírito, ele foi também pregar aos espíritos na prisão, 20a saber, aos que foram desobedientes antigamente, quando Deus usava de longanimidade, nos dias em que Noé construía a arca. Nesta arca, umas poucas pessoas - oito - foram salvas por meio da água. 21À arca corresponde o batismo, que hoje é a vossa salvação. Pois o batismo não serve para limpar o corpo da imundície, mas é um pedido a Deus para obter uma boa consciência, em virtude da ressurreição de Jesus Cristo. 22Ele subiu ao céu e está à direita de Deus, submetendo-se a ele anjos, dominações e potestades.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 1,12-15

Louvor e glória a ti, Senhor, Cristo palavra de Deus.

Louvor e glória a ti, Senhor, Cristo palavra de Deus.

- O homem não vive somente de pão, mas de toda palavra da boca de Deus (MT 4,4)

Louvor e glória a ti, Senhor, Cristo palavra de Deus.

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, 12o Espírito levou Jesus para o deserto. 13E ele ficou no deserto durante quarenta dias, e aí foi tentado por Satanás. Vivia entre animais selvagens, e os anjos o serviam. 14Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galiléia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo:15"O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!"

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

 

Liturgia comentada
Arrependei-vos! (Mc 1,12-15)

Curioso como a expressão “Reino dos Céus”, que aparece na pregação de João Batista e reaparece na de Jesus Cristo, tem sido associada a tanta coisa diferente. Quando se fala nesse Reino, alguns pensam na Igreja aqui na terra, dominante e gloriosa; outros imaginam um planeta pós-revolução, onde os tiranos já foram eliminados e o povo divide pacificamente suas colheitas. É raro, porém, que esse Reino seja associado a... conversão!

No entanto, a associação estava clara nas duas pregações acima citadas: o Reino está próximo, então... arrependei-vos! Entre os que perceberam esta ligação, está Cesário de Arles [470-543 d.c.]:

“O Reino dos céus é Cristo que – temos certeza disso – conhece os atos bons e maus e julga todos os motivos de nossos atos”. Também precisamos antecipar-nos a Deus, confessando nossas faltas, e reprimir todos os desregramentos da alma antes do julgamento. Nós nos expomos ao perigo se não sabemos qual é o tratamento a seguir para a cura do pecado. Devemos arrepender-nos antes de tudo porque sabemos que prestaremos conta das razões de nossos erros.

Vejam, irmãos bem-amados, como é grande a bondade de Deus para conosco, tão grande que ele quer perdoar o pecado de quem se reconhece culpado e o repara antes do juízo. Ele, o justo Juiz, sempre faz preceder o julgamento por uma advertência, para jamais ter de exercer uma justiça severa. Se Deus quer tirar de nós um rio de lágrimas, não é sem motivo, irmãos bem-amados, mas para que possamos recuperar pelo arrependimento aquilo que havíamos perdido por negligência.

Nosso Deus sabe que o homem não tem sempre uma vontade reta, e que ele pode muitas vezes pecar em sua carne ou cometer desvios de linguagem. E também nos ensinou o caminho do arrependimento, pelo qual podemos reparar os prejuízos que causamos e corrigir-nos de nossas faltas. Para estarmos seguros de obter-lhe o perdão, jamais devemos cessar de lamentar nossos pecados.

Por mais fragilizada que esteja a natureza humana, em razão de tantas feridas, ninguém deve desesperar, pois o Senhor é de uma generosidade tão grande, que ele distribui sem reserva os dons de sua misericórdia sobre todos que já estão sem forças.

Que ninguém os desvie, meus bem-amados, pois a pior espécie de pecado consiste em não perceber os próprios pecados. “Enquanto todos os que reconhecem suas faltas podem reconciliar-se com Deus ao se arrependerem, nenhum pecado merece mais a nossa piedade que aquele que acredita nada ter a se reprovar.”

Uma lição simples e clara. Como disse o sambista, “perdão foi feito pra gente pedir”. Só o orgulhoso se condena...

Orai sem cessar:“No teu grande amor, cancela o meu pecado!” (Sl 50,3)
Texto e poema de Antônio Carlos Santini, da Com. Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos