L Liturgia

Liturgia de 02 de março de 2018

SEXTA-FEIRA DA II SEMANA DA QUARESMA
(roxo - ofício do dia)

Antífona da entrada

- Senhor, a vós recorro, que eu não seja confundido para sempre. Vós me tirais do laço que me armaram, vós sois meu protetor (Sl 30,2.5).

Oração do dia

- Concedei-nos, ó Deus todo-poderoso, que, purificados pelo esforço da penitência, cheguemos de coração sincero às festas da Páscoa que se aproximam. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Gn 37, 3-4.12-13.17-28


- Leitura do livro do Gênesis - 3Israel amava mais a José do que a todos os outros filhos, porque lhe tinha nascido na velhice. E por isso mandou fazer para ele uma túnica de mangas longas. 4Vendo os irmãos que o pai o amava mais do que a todos eles, odiavam-no e já não lhe podiam falar pacificamente.

12Ora, como os irmãos de José tinham ido apascentar o rebanho do pai em Siquém, 13adisse Israel a José: “Teus irmãos devem estar com os rebanhos em Siquém. Vem, vou enviar-te a eles”. 17bPartiu, pois, José atrás de seus irmãos e encontrou-os em Dotaim. 18Eles, porém, tendo-o visto ao longe, antes que se aproximasse, tramaram a sua morte. 19Disseram entre si: “Aí vem o sonhador! 20Vamos matá-lo e lançá-lo numa cisterna, depois diremos que um animal feroz o devorou. Assim veremos de que lhe servem os sonhos”. 21Rúben, porém, ouvindo isto, disse-lhes: 22“Não lhe tiremos a vida”! E acrescentou: “Não derrameis sangue, mas lançai-o naquela cisterna do deserto, e não o toqueis com as vossas mãos”. Dizia isto, porque queria livrá-lo das mãos deles e devolvê-lo ao pai. 23Assim que José chegou perto dos irmãos, estes despojaram-no da túnica de mangas longas, pegaram nele 24e lançaram-no numa cisterna que não tinha água. 25Depois, sentaram-se para comer. Levantando os olhos, avistaram uma caravana de ismaelitas, que se aproximava, proveniente de Galaad. Os camelos iam carregados de especiarias, bálsamo e resina, que transportavam para o Egito. 26E Judá disse aos irmãos: “Que proveito teríamos em matar nosso irmão e ocultar o seu sangue? 27É melhor vendê-lo a esses ismaelitas e não manchar nossas mãos, pois ele é nosso irmão e nossa carne”. Concordaram os irmãos com o que dizia. 28Ao passarem os comerciantes madianitas, tiraram José da cisterna, e por vinte moedas de prata o venderam aos ismaelitas: e estes o levaram para o Egito.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 105, 16-17.18-19.20-21 (R: 5a)

- Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

R: Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

 

- Mandou vir, então, a fome sobre a terra e os privou de todo pão que os sustentava; um homem enviara à sua frente, José que foi vendido como escravo.

R: Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

 

- Apertaram os seus pés entre grilhões e amarraram seu pescoço com correntes, até que se cumprisse o que previra, e a palavra do Senhor lhe deu razão.

R: Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

 

- Ordenou, então, o rei que o libertassem, o soberano das nações mandou soltá-lo; fez dele o senhor de sua casa, e de todos os seus bens o despenseiro.

R: Lembrai sempre as maravilhas do Senhor!

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 21, 33-43.45-46

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

- Deus o mundo tanto amou, que lhe deu seu próprio Filho, para que todo o que nele crer encontre a vida eterna (Jo 3,16)

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, dirigindo-se Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo, disse-lhes: 33“Escutai esta outra parábola: Certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois arrendou-a a vinhateiros, e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos. 35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro, e ao terceiro apedrejaram.36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma orma. 37Finalmente, o proprietário, enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’. 38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, que fará com esses vinhateiros?” 41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”. 42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos?” 43Por isso eu vos digo: o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos. 45Os sumos sacerdotes e fariseus ouviram as parábolas de Jesus, e compreenderam que estava falando deles.46Procuraram prendê-lo, mas ficaram com medo das multidões, pois elas consideravam Jesus um profeta.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!

  

Liturgia comentada
Hão de respeitar o meu filho... (Mt 21,33-43.45-46)

Leda ilusão! A arriscada aposta feita pelo Pai teria um fim trágico! O proprietário da vinha (o Deus de Israel, claro!) fez de tudo para demonstrar seu amor. Cercou de cuidados o povo escolhido. Deu-lhe tempo: toda uma história. Esperava pelos frutos de seu rico investimento. No entanto, seus emissários, os profetas, foram mal recebidos, insultados, lapidados.

Em uma atitude extrema de desesperado amor – realmente impensável para nossas categorias humanas - o “proprietário” envia seu próprio Filho (Jesus Cristo). “Hão de respeitar meu filho... Não é possível que cheguem ao extremo de recusar tal oferecimento!” Pois recusaram...

Pois recusamos! Cada vez que preferimos o pecado, cada vez que preferimos a nós mesmos (nosso prazer, nossa sede de acumular, nossos projetos de vingança, nossos sonhos de poder...), estamos recusando mais uma vez o Filho dado, oferecido, abandonado em nossas mãos.

Obviamente, o foco desta parábola não está na recusa dos vinhateiros indiferentes, mas na oferenda do Filho que o Pai nos entrega. Em seu anseio de nos salvar e nos convidar para o banquete celeste, é como se o Pai clamasse das nuvens celestes: “Vede a que ponto eu vos amei! Eu vos entreguei meu próprio Filho, para que todo aquele que o acolher não pereça, mas tenha uma eternidade no Amor sem limites!”

Pobre Pai! Ele sempre renova sua aposta no amor humano: “Hão de respeitar meu Filho!” E seu Filho continua crucificado, cuspido, zombado. Como naquele tradicional colégio católico de Vitória, ES, mantido por uma congregação de religiosos, onde todos os crucifixos foram arrancados das salas de aula e jogados no latão de lixo - conforme testemunhou a senhora encarregada da limpeza - pois as salas seriam usadas para turmas de faculdade e a cruz iria incomodar alunos de outras religiões... Como naquela reunião ecumênica em Belo Horizonte, quando a pastora responsável pelo encontro exigiu do pároco que cobrisse o Crucificado com um pano, para não incomodar os “irmãos” de outras denominações...

O Filho continua desprezado. É alvo das chacotas dos comunicadores de TV, das zombarias dos colunistas de jornal. Sofre contínuas agressões dos professores universitários, mesmo em universidades católicas. A Palavra do Filho é trocada pelos palpites do filósofo da moda, mesmo em celebrações de nossa Igreja.

Hoje, o Pai, ainda apaixonado por sua vinha, se volta para cada um de nós e pergunta: “Você ama meu Filho?”

Orai sem cessar: “Amor com amor se paga.” (Santa Teresinha)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos