L Liturgia

Liturgia de 17 de março de 2018

SABADO DA IV SEMANA DA QUARESMA
(roxo - ofício do dia)

Antífona da entrada

- As ondas da morte me cercavam, tragavam-me as torrentes infernais; na minha angústia, chamei pelo Senhor, de seu templo ouviu a minha voz

(Sl 17, 5).

Oração do dia

- Ó Deus, na vossa misericórdia, dirigi os nossos corações, pois, sem o vosso auxílio, não vos podemos agradar. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

1ª Leitura: Jr 11, 18-20


- Leitura do livro do profeta Jeremias: 18Senhor, avisaste-me e eu entendi; fizeste-me saber as intrigas deles. 19Eu era como manso cordeiro levado ao sacrifício, e não sabia que tramavam contra mim: “Vamos cortar a árvore em toda a sua força, eliminá-lo do mundo dos vivos, para seu nome não ser mais lembrado”. 20E tu, Senhor dos exércitos, que julgas com justiça e perscrutas os afetos do coração, concede que eu veja a vingança que tomarás contra eles, pois eu te confiei a minha causa.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial: Sl 7, 2-3.9BC-10.11-12 (R: 2a)

- Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

R: Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

 

- Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio: vinde salvar-me do inimigo, libertai-me! Não aconteça que agarrem minha vida como um leão que despedaça a sua presa, sem que ninguém venha salvar-me e libertar-me!

R: Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

 

- Julgai-me, Senhor Deus, como eu mereço e segundo a inocência que há em mim! Ponde um fim à iniqüidade dos perversos, e confirmai o vosso justo, ó Deus-Justiça, vós que sondais os nossos rins e corações.

R: Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

 

- O Deus vivo é um escudo protetor, e salva aqueles que têm reto coração. Deus é juiz, e ele julga com justiça, mas é um Deus que ameaça cada dia.

R: Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 7, 40-53

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

- Felizes os que observam a palavra do Senhor de reto coração e que se produzem muitos frutos, até o fim perseverantes! (Lc 8,15)

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

- O Senhor esteja convosco.

- Ele está no meio de nós.

 

- Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

- Glória a vós, Senhor!

- Naquele tempo, 40ao ouvirem as palavras de Jesus, algumas pessoas da multidão diziam: “Este é, verdadeiramente, o Profeta”. 41Outros diziam: “Ele é o Messias”. Mas alguns objetavam: “Porventura o Messias virá da Galileia? 42Não diz a Escritura que o Messias será da descendência de Davi e virá de Belém, povoado de onde era Davi?” 43Assim, houve divisão no meio do povo por causa de Jesus. 44Alguns queriam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos ele. 45Então, os guardas do Templo voltaram para os sumos sacerdotes e os fariseus, e estes lhes perguntaram: “Por que não o trouxestes?” 46Os guardas responderam: “Ninguém jamais falou como este homem”47Então os fariseus disseram-lhes: “Também vós vos deixastes enganar? 48Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele? 49Mas esta gente que não conhece a Lei, é maldita!” 50Nicodemos, porém, um dos fariseus, aquele que se tinha encontrado com Jesus anteriormente, disse: 51“Será que a nossa Lei julga alguém, antes de o ouvir e saber o que ele fez?” 52Eles responderam: “Também tu és galileu, porventura? Vai estudar e verás que da Galileia não surge profeta”. 53E cada um voltou para sua casa.

- Palavra da salvação.

- Glória a vós, Senhor!


Liturgia comentada
Homem algum falou como este!
(Jo 7,40-53)

Esta frase exclamativa saiu da boca dos guardas enviados pelos sacerdotes do Templo de Jerusalém com a missão de prender Jesus de Nazaré, cujo ensinamento ameaçava os donos do poder. Depois de se misturarem à multidão e ouvirem a pregação do Rabi, os emissários regressam aos chefes com os olhos cheios e as mãos vazias: “Homem algum falou como este homem!”

Não só os guardas daquele tempo, mas também os homens de empresa deste início de milênio estão descobrindo uma nova faceta em Jesus: seu notável poder de liderança! Uma palavra, e o seguem: “Vinde e vede!” (Jo 1,39) Uma ordem e os demônios fogem: “Sai deste homem!” (Mc 1,25) Um gesto e os guardas caem por terra (Jo 18,6). Sem poder econômico, sem recursos financeiros, sem apoio político, Jesus Cristo dividiu a História em duas fatias: antes de Cristo / depois de Cristo.

Diferentemente dos demais rabinos de seu tempo, que ensinavam apoiados em uma tradição, sempre a citar e repetir as lições de seus próprios mestres, Jesus de Nazaré destoa da tradição, pois ensina “com autoridade” (Mt 7, 29) e afirma que só repete aquilo que ouviu pessoalmente do próprio Pai. De modo audacioso, chega a contrapor a herança mosaica a uma Boa Nova ainda mais exigente: “Vocês ouviram dos antigos... Eu, porém, vos digo...” (Cf. Mt 5,21.27.33)

Não admira, pois, que corresse entre a multidão um frisson de admiração capaz de gerar muitas perguntas: “Não seria ele o Messias esperado?” Pobre, de origem humilde, proveniente da periferia de Israel, como explicar que aquele “filho do carpinteiro” agitasse de tal modo a sociedade de seu tempo?

Aqueles que se dedicam a organizar seminários para analisar a “liderança de Jesus Cristo” certamente não acharão a resposta em sua oratória, em sua inteligência humana nem nos seus recursos de neurolinguística. O que nos atrai em Jesus é, simplesmente, a Verdade. Não só a Verdade que ele traz do Pai, mas a Verdade que ele é. Quem faz contato com a Palavra de Jesus Cristo recebe dupla revelação: uma revelação sobre Deus e uma revelação sobre o homem.

Enquanto a multidão ouve o Rabi da Galileia, seu coração chega a arder (cf. Lc 24,32). O anúncio que Jesus comunica arranca as vendas que velavam os olhos humanos. Mesmo falando de coisas simples e comuns, como as aves do céu ou os lírios dos campos, sua mensagem estende uma ponte entre o coração do homem e o coração de Deus...

Agora, sim, sabemos que Deus é nosso Pai. Agora, enfim, sabemos que somos filhos. Depois disso, a quem iremos (Jo 6,68), a não ser ao Senhor?

Orai sem cessar: “Guardo no fundo do meu coração a vossa Palavra!” (Sl 119,11)
Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Livro

Enquete

Qual os temas do site da CCNA mais te chama atenção

Mais Lidos